PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bia Kicis lança campanha pela aprovação de voto impresso

Bia Kicis tem 59 anos e se autointitula "conservadora" - Câmara dos Deputados
Bia Kicis tem 59 anos e se autointitula 'conservadora' Imagem: Câmara dos Deputados
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

07/04/2021 04h00

A ofensiva dos bolsonaristas para adoção do voto impresso no Brasil será reforçada. A deputada Bia Kicis (PSL-DF), presidente do Conselho de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, anunciou que a partir de hoje começa uma campanha para que o eleitor tenha registro em papel da opção feita na votação. A parlamentar é autora da Proposta de Emenda Constitucional que propõe mudança no sistema eleitoral.

Segundo ela, a campanha é "suprapartidária" e terá a participação "não só do PSL" e nem somente de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Além disso, Kicis anunciou que o esforço terá participação de "grandes personalidades" - nesta categoria, citou apenas o nome do jornalista Alexandre Garcia.

A presidente da CCJ diz que a PEC de sua autoria vai possibilitar "transparência nas eleições". "Precisamos do voto auditável, que hoje lamentavelmente nós não temos", afirmou, em suas redes sociais.

Apesar do que diz Bia Kicis, o sistema eleitoral brasileiro já é auditável, como explicou várias vezes o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luis Roberto Barroso. A cada dia de votação, inclusive, um boletim é impresso para conferência dos partidos políticos.

O voto impresso é uma das fixações do presidente Jair Bolsonaro, que já chegou a dizer que se o sistema de votação não for alterado para as eleições de 2022, algo "muito pior" que a invasão do Capitólio pode acontecer no Brasil.