PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por atraso na vacinação, CPI deve começar por Queiroga, diz Randolfe

Senador Randolfe Rodrigues  - Diego Bresani/UOL
Senador Randolfe Rodrigues Imagem: Diego Bresani/UOL
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

22/04/2021 04h00

Depois da declaração dada ontem pelo ministro da Saúde de que a vacinação de grupos prioritários contra o coronavírus, antes prevista para terminar em maio, só vai ser concluída em setembro, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse à coluna que os trabalhos da CPI da Covid devem começar por Marcelo Queiroga. "A comissão parlamentar pode servir como medida sanitária se convocar o ministro e der o recado: 'presta atenção no serviço'", explicou o senador.

Randolfe é autor do requerimento de abertura da CPI da Covid e deverá ser o vice-presidente do grupo. Para ele, Queiroga terá que explicar os motivos do atraso na imunização e o que está sendo feito para acelerar o processo.

"Se ainda estivermos vacinando os prioritários em setembro, isso significa que o mundo todo vai estar saindo de casa, os Estados Unidos vão estar fazendo festa nas ruas e nós teremos muita gente ainda esperando para ser imunizada", prevê Randolfe. "As imagens que virão do restante do planeta para cá serão devastadoras para o governo".

O parlamentar acha que se o ritmo de imunização se confirmar, tudo leva a crer que não haja Carnaval em 2022, como aconteceu esse ano.

A previsão é que a CPI da Covid seja instalada na terça-feira e Randolfe acredita que o presidente será mesmo Omar Aziz (PSD-AM). Como relator, deverá ser confirmado o nome de Renan Calheiros (MDB-AL), contra a vontade do governo.

"A reação de bolsonaristas à CPI da Covid me lembra cada vez mais Fernando Collor em 1992, antes da CPI do PC Farias", observa o senador. Como se sabe, em dezembro daquele ano o Congresso aprovou o impeachment de Collor.