PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Caetano chama Salles de "antiministro" em reunião com embaixadores

Caetano Veloso e Ricardo Salles - Reprodução e vídeo e divulgação
Caetano Veloso e Ricardo Salles Imagem: Reprodução e vídeo e divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

20/04/2021 18h57

Os representantes de países preocupados com a degradação ambiental do Brasil tiveram uma ideia de quanto parte do Legislativo e da sociedade civil repudiam as decisões do governo de Jair Bolsonaro nessa área. Em reunião virtual, embaixadores dos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Noruega e União Europeia conversaram ontem com o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Jaques Wagner (PT-BA), a cientista política Ilona Szabó (presidente do Instituto Igarapé), Pedro Abramovay (representante da ONG Open Society), a produtora Paula Lavigne e o cantor e compositor Caetano Veloso.

A proposta apresentada foi que não seja firmado qualquer acordo de ajuda financeira ao Brasil sem que o governo se comprometa com a participação de representantes do Parlamento e da sociedade civil na formulação de políticas contra a degradação da natureza. Os embaixadores ouviram muitas críticas a Ricardo Salles, a quem Caetano chamou de "antiministro do Meio Ambiente".

O encontro, que durou duas horas, representou mais um movimento de pressão contra o governo Bolsonaro às vésperas da Cúpula do Meio Ambiente, promovida pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, nos dias 22 e 23. O evento terá a participação de 40 países.

O grupo observou aos diplomatas estrangeiros que torce para que o país receba ajuda internacional para enfrentar o desmatamento e a destruição da Amazônia. No entanto, discordam da reivindicação do governo, que quer receber o dinheiro antes de mostrar medidas efetivas de proteção do patrimônio natural.

Os embaixadores ouviram relatos sobre o desmonte dos órgãos ambientais e os riscos de fazerem repasses de verbas antes que a equipe de Bolsonaro mude suas diretrizes para o setor.

O deputado Alessandro Molon, líder da oposição na Câmara, considerou a reunião muito boa.

"No diálogo com os embaixadores, apresentamos nosso desejo de que um eventual acordo com o governo fosse construído de forma transparente e com a participação do Parlamento e da sociedade civil", disse ele à coluna. "Queremos que o Brasil receba recursos para enfrentar o desmatamento, mas queremos também que o seu uso esteja bem amarrado no acordo para que possam produzir bons resultados".