PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Moradora de Paquetá diz a Queiroga: 'Não queria ser vacinada por você'

Conceição Campos é vacinada pelo ministro Queiroga e depois fala com ele. Ao fundo, Margareth Dalcolmo - Reprodução
Conceição Campos é vacinada pelo ministro Queiroga e depois fala com ele. Ao fundo, Margareth Dalcolmo Imagem: Reprodução
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

21/06/2021 04h00

Ao participar ontem da vacinação em massa da população da Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, aplicou o imunizante na primeira moradora. Quando perguntou a ela se estava feliz, ouviu uma resposta surpreendente. "Estou feliz por estar vacinada, mas não queria ser vacinada por você. Queria ser vacinada por ela", disse Conceição Campos, diretora da associação de moradores local, apontando para Margareth Dalcomo, pesquisadora da Fiocruz. O ministro não teve reação.

Ela conta que a rejeição a Queiroga se dá pelo fato de ele ser "representante de um governo que fala contra a vacina, que fala contra a máscara, que fala contra a ciência". A dirigente comunitária resumiu a situação: "A vacina é verdadeira, mas a mão que me aplicou não é."

Conceição explica que tem sobre o governo Bolsonaro a avaliação "de quem acompanha essa tragédia como cidadã, pela imprensa, pela CPI, pelo número crescente de mortos",

"Sinto na pele o que a negação da ciência, da máscara, do distanciamento social, a recusa em comprar vacinas nos traz: mortes evitáveis e sofrimentos desnecessários",critica a moradora de Paquetá, que é escritora e trabalha com projetos de incentivo à leitura voltados a crianças e jovens.

Ela lamenta ainda a difusão de remédios ineficazes e da ideia de que basta todo mundo adoecer e ir morrendo até que a pandemia acabe, a ausência de uma campanha de prevenção, a falta de testagem e de divulgação de dados. "A lista é muito triste e muito grande", afirma Conceição, que diz ter perdido muitos amigos para a covid-19.

Cerca de 3.500 moradores de Paquetá foram imunizados ontem e a ilha servirá para estudo da Fiocruz sobre eficácia da vacinação e da viabilidade de acabar com as restrições devido à pandemia. Durante discurso do ministro Queiroga, alguns moradores protestaram contra o presidente Bolsonaro.