PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Réveillon pela metade, a sugestão temerária de Paes e Castro para o Rio

Imagens são projetadas no Cristo Redentor durante queima de fogos no Réveillon 2020 em Copacabana, no Rio - Fernando Maia/Riotur
Imagens são projetadas no Cristo Redentor durante queima de fogos no Réveillon 2020 em Copacabana, no Rio Imagem: Fernando Maia/Riotur
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

07/12/2021 15h02

No vai e vem das decisões sobre a festa de Ano Novo no Rio, a celebração na Praia de Copacabana já foi confirmada, depois cancelada e agora está prestes a ganhar um formato intermediário. O prefeito da capital, Eduardo Paes (PSD), e o governador fluminense, Claudio Castro (PL), concordam com essa opção. Os comitês científicos municipal e estadual darão a palavra decisiva.

A ideia é manter a monumental queima de fogos, alguns alto-falantes com trilha sonora festiva e proibição de estacionamento na orla. O governador argumenta que esse tipo de celebração aconteceu no ano passado e tudo correu em segurança, sem aglomeração.

A grande diferença é que no último réveillon ainda estavam em vigor regras rigorosas de distanciamento social contra o coronavírus e a cidade praticamente não recebeu turistas. Dessa vez, a expectativa da rede hoteleira é de ter 100% da ocupação.

Como o presidente Jair Bolsonaro reluta em adotar a principal medida sugerida pela Anvisa para controlar a entrada no país da variante ômicrom, exigência do passaporte vacinal, o Rio de Janeiro corre o risco de se tornar o principal destino para os antivax do mundo todo nessa virada de ano.

O dilema não tem solução simples, já que a indústria do turismo, uma das principais atividades da economia fluminense, tinha esperança de conseguir nesse fim de 2021 faturar algum dinheiro para amenizar o impacto negativo de quase dois anos de pandemia.

No entanto, a possibilidade de que multidões de turistas estrangeiros dividam com os brasileiros os vírus que se recusaram a combater tomando vacinas em seus países é um risco muito grave.

De positivo, o fato de que Paes e Castro vão apoiar sua decisão em quem entende do riscado: os cientistas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL