PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Senadores querem mensagens suspeitas de Bolsonaro a presidente da Petrobras

Jair Bolsonaro apontando - Adriano Machado/Reuters
Jair Bolsonaro apontando Imagem: Adriano Machado/Reuters
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

27/06/2022 15h01

Os senadores Jean Paul Prates (PT-RN), Jaques Wagner (PT-BA) e Zenaide Maia (PROS-RN) encaminharam para o plenário do Senado requerimento para que o ministro das Minas e Energia, Adolfo Sachsida, repasse informações sobre registros de mensagens trocadas em celulares corporativos e registros audiovisuais de reuniões do Conselho Administrativo da Petrobras. O objetivo é esclarecer afirmação do ex-presidente da empresa Roberto Castello Branco, que em um aplicativo de mensagens disse no sábado: "No meu celular corporativo tinha mensagens e áudios que poderiam incriminá-lo (referindo-se ao presidente Jair Bolsonaro)".

Além disso, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) pediu à Polícia Federal que os aparelhos sejam apreendidos e periciados.

Trechos do diálogo do ex-presidente da Petrobras sobre a ingerência de Bolsonaro na companhia foram publicados pelo jornalista Samuel Pancher, no portal Metrópoles. Na conversa, Castello Branco diz a Rubem Novaes, ex-presidente do Banco do Brasil, que se quisesse "atacar o Bolsonaro não foi e não é por falta de oportunidade (sic)". Em seguida, fala das mensagens comprometedoras no celular corporativo. "Fiz questão de devolver intacto para a Petrobras", disse.

Diante dessas informações, os senadores pedem a Schsida esclarecimentos sobre o tempo de preservação de mensagens em celulares corporativos, e-mails e outros instrumentos de comunicação da empresa. Solicitam também cópias dos arquivos de mensagens (inclusive em aplicativos de mensagens), dos aparelhos telefônicos celulares utilizados pelos presidentes da Petrobras desde 2019 e cópias dos registros sonoros, visuais e audiovisuais das reuniões do Conselho Administrativo no mesmo período.

"Todo mundo sabe que o presidente Bolsonaro achaca diariamente a empresa que deveria ajudar a nortear, mas é importante saber exatamente quais crimes ele cometeu ou se realizou ameaças pessoais", diz Jean Paul Prates.

Essa última referência é motivada por matéria da revista Veja, segundo a qual Castello Branco teria dito a pessoas próximas que sofreu pressões "ilegítimas" da parte de Bolsonaro e seus ministros quando estava à frente da Petrobras.