PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Diogo Schelp


Cloroquina e o desafio da ciência em tempo real

O novo coronavírus - Reprodução
O novo coronavírus Imagem: Reprodução
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

09/04/2020 04h00

O filósofo da ciência Thomas Kuhn escreveu que os cientistas, ao contrário dos médicos, não precisam de soluções urgentes. A pandemia do novo coronavírus aproximou a urgência com que trabalham médicos e cientistas. Diante de uma doença com uma taxa de reprodução (para quantas pessoas cada paciente transmite o vírus) e de duplicação (em quanto tempo dobra o número de infectados) iguais aos da gripe espanhola de um século atrás, que matou entre 20 milhões e 100 milhões de pessoas, os cientistas estão sendo pressionados a queimar etapas. É a ciência em tempo real.

O efeito disso é que a evidência científica se tornou uma das vítimas da pandemia. O infectologista e epidemiologista Carlos Magno Fortaleza, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, que dirigiu o Centro de Vigilância Epidemiológica do estado de São Paulo entre 2003 e 2005, destaca dois exemplos dos desafios que a crise da covid-19 impõe aos cientistas.

O primeiro é a exaltação da hidroxicloroquina como maior esperança de cura. "O melhor estudo que mostra a eficácia da substância foi feito com 30 pacientes de um lado e 30 do outro (recebendo placebo). Alguns pacientes tomaram e melhoraram. Outros tomaram e morreram. Nenhuma autoridade no mundo liberaria um medicamento com base em um estudo como esse. E, no entanto, o Ministério da Saúde já distribuiu milhões de unidades para usar em pacientes graves, por ser uma situação emergencial", diz Fortaleza.

O procedimento correto seria fazer ensaios clínicos amplos, com o chamado duplo cego, em que metade dos pacientes recebe o medicamento e a outra metade, um placebo. Nem os médicos, nem os pacientes desse segundo grupo devem saber que os remédios são falsos. Os comprimidos são tão parecidos que é impossível saber — só os estatísticos detém essa informação para depois comparar os resultados.

O segundo exemplo é a campanha para o uso de máscaras de pano para toda a população. "Embora a capacidade de filtragem desse tipo de proteção seja menos da metade das máscaras cirúrgicas, seu uso pode ser uma boa estratégia como complemento ao isolamento social", diz Fortaleza. "O problema é que ela está sendo apresentada como uma alternativa, não como complemento às medidas de distanciamento social."

Tanto no exemplo da hidroxicloroquina quanto no das máscaras de pano, o que se observa são estratégias agnotológicas para alcançar um objetivo político. "Agnotologia é a produção de ignorância com dados científicos verdadeiros", diz Fortaleza.

Há diversas formas de fazer isso. Uma delas é jogar luz sobre alguns aspectos do conhecimento científico, de forma a produzir sombra sobre outros.

No caso da hidroxicloroquina, chama-se atenção para a possibilidade de sua eficácia com base em parcos estudos e no fato de médicos de renome com covid-19 terem se automedicado com ela, mas ignora-se outros estudos que indicam que seu uso é prematuro e potencialmente perigoso.

No caso das máscaras de pano, recorre-se a um dado verdadeiro (elas reduzem a chance de contaminação) para se chegar a uma conclusão falsa (o isolamento social não é necessário).

"A pandemia tem exigido dos cientistas resoluções rápidas que possam pautar as autoridades de saúde pública", diz Fortaleza. "Por outro lado, as autoridades têm seus compromissos políticos — no sentido mais amplo do termo."

Não há ciência neutra de valor, mas a abordagem agnotológica do bolsonarismo — insistindo no uso sem evidências de um medicamento e promovendo uma medida de prevenção que, sozinha, é insuficiente para conter o avanço do vírus — não protege a vida dos cidadãos.

Diogo Schelp