PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Diogo Schelp


José Serra e o raio moralizador da Lava Jato

O Ministério Público Federal denunciou nesta sexta-feira (3) o senador e ex-governador José Serra (PSDB-SP) e a filha dele, Verônica Allende Serra, por lavagem de dinheiro - Pedro França/Agência Senado
O Ministério Público Federal denunciou nesta sexta-feira (3) o senador e ex-governador José Serra (PSDB-SP) e a filha dele, Verônica Allende Serra, por lavagem de dinheiro Imagem: Pedro França/Agência Senado
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

03/07/2020 16h23

Alguns anos atrás, quando o Brasil ainda era governado pelo PT e a Operação Lava Jato estava em seu auge, escutei de um conhecido que havia um "moralismo" no clamor dos cidadãos brasileiros contra os políticos corruptos. Fiquei intrigado com uso daquela expressão, com clara conotação negativa, para a agenda anticorrupção. Como se exigir uma conduta ilibada na gestão pública fosse o equivalente a defender comportamentos antiquados, a exemplo de namorar só de mãos dadas, sem beijos e sem amassos, até casar.

Descobri, depois, que "moralismo" havia entrado no vocabulário do petismo para desqualificar a Lava Jato e seus defensores. "Moralismo" no seguinte significado apresentado pelo Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa: "consideração moral inconsistente por estar separada do sentimo moral, por ser baseada em preceitos tradicionais irrefletidos ou por ignorar a particularidade e a complexidade da situação julgada".

Mas o clamor anticorrupção era moralizador, não moralista. "Moralizador" no sentido de "que ou aquele que defende os princípios da moral; difundindo-os entre as pessoas". A Operação Lava Jato, com todos os erros que seus protagonistas podem ter cometido no percurso das investigações e dos processos, foi um raio moralizador que caiu sobre o país, com efeitos que são sentidos até hoje.

A denúncia de lavagem de dinheiro feita nesta sexta-feira (3) pelo Ministério Público Federal contra o senador José Serra (PSDB/SP) e sua filha Verônica Allende Serra é um lembrete de que a Lava Jato e seus desdobramentos não atingiram apenas figuras do PT ou dos partidos do centrão que atualmente estão se aboletando no governo Bolsonaro.

As suspeitas de movimentações de montantes vultosos de dinheiro em contas no exterior, que vão além de datas de fatos que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou como prescritos, são graves. É de interesse dos contribuintes que o processo avance e as denúncias sejam devidamente esclarecidas e julgadas, como foi feito com as acusações que levaram à condenação do ex-presidente Lula por corrupção, entre outros crimes, à soma de 26 anos de prisão.

Punir o uso de dinheiro público em benefício pessoal ou a tentativa de ocultar a origem de recursos não é moralismo. É fazer o que é certo.

Diogo Schelp