PUBLICIDADE
Topo

O maior adversário de Donald Trump é ele mesmo

O primeiro debate presidencial entre Trump e Biden foi marcado por troca de acusações e bate-boca - Jim Watson/Saul Loeb/Montagem/AFP
O primeiro debate presidencial entre Trump e Biden foi marcado por troca de acusações e bate-boca Imagem: Jim Watson/Saul Loeb/Montagem/AFP
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

30/09/2020 11h03

Favorito nas pesquisas eleitorais, Joe Biden, o candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, podia se dar ao luxo de não precisar ganhar terreno, apenas reforçar sua posição no primeiro debate contra o incumbente Donald Trump, realizado na noite desta terça-feira (29). Dependendo de quem estivesse assistindo, porém, a impressão que podia ficar é que Biden é um candidato vacilante, frágil. Exatamente o que Trump pretendia ao insistir em sua tática de interromper o adversário o tempo todo.

As interrupções de Trump tinham o efeito de fazer Biden perder a sua linha de raciocínio. Não foram poucos os momentos em que o democrata tentava retomar a fala balbuciando, com um leve tremor nos lábios. Essa imagem é o seu ponto fraco. Nada menos que 31% dos eleitores de Biden dizem que sua maior preocupação em relação ao candidato é a idade avançada. O democrata tem 77 anos.

Trump tem 74 anos, mas a idade não é o que mais preocupa seus apoiadores. Em vez disso, eles têm mais reservas em relação ao seu temperamento, segundo pesquisa Pew Research. Ou seja, exatamente o tipo de postura que ele adotou no debate, desrespeitando as regras e atropelando as respostas do democrata.

No debate, Biden tampouco conseguiu se mostrar mais propositivo do que Trump, quando as perguntas do moderador assim o exigiam. Em vez de propostas ou de explicar de maneira consistente o que faria de diferente em situações como a pandemia do novo coronavírus ou a recuperação da economia, Biden concentrou-se em apontar os erros do republicano. Isso funciona para os eleitores já convertidos, mas ajuda pouco com os indecisos, que compõem 11% do eleitorado, segundo as pesquisas.

Para esses, a escolha fica entre um candidato malcriado e arrogante, que age como uma criança respondona, e uma alternativa que, por mais que possa agradar por sua moderação, está longe de demonstrar o vigor que os americanos creem necessário para comandar o país.

O primeiro debate presidencial nos Estados Unidos demonstrou que, se Trump sair derrotado nessas eleições, não será pelas qualidades do concorrente democrata, mas por seus próprios erros na condução da pandemia de covid-19 e pela recessão econômica.

O maior adversário de Trump é ele mesmo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL