PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Crise no Golfo confirma submissão do Brasil aos rumos diplomáticos de Trump

O presidente Donald Trump ouve o assessor internacional da Presidência brasileira, Filipe Martins, ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro, ministro Ernesto Araújo e o secretário de Governo americano, Mike Pompeo, na Casa Branca - Reprodução/Twitter
O presidente Donald Trump ouve o assessor internacional da Presidência brasileira, Filipe Martins, ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro, ministro Ernesto Araújo e o secretário de Governo americano, Mike Pompeo, na Casa Branca
Imagem: Reprodução/Twitter
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

03/01/2020 20h18

A tensão entre EUA e o Irã escancarou a realidade: o alinhamento automático da política externa brasileira aos rumos adotados pela Casa Branca no que se refere aos temas de segurança internacional, além da ausência de uma estratégia que busque colocar o Brasil como protagonista no cenário internacional.

No Planalto e no Itamaraty, a ordem foi a de tratar o caso exatamente na mesma linha adotada por Washington para justificar a operação: o combate ao terrorismo.

Em declarações em um programa na TV Bandeirantes, Jair Bolsonaro não fez votos para que governos adotem uma postura de moderação e nem apelou pela paz, se contrastando com a maioria dos comentários pelas principais capitais pelo mundo.

Em seu lugar, ele chancelou a ação de Donald Trump de atacar os iranianos e, apesar de falar com insistência sobre soberania, evitou dizer o que o Brasil pensava do assassinato nesta sexta-feira.

"A nossa posição é se aliar a qualquer país no mundo no combate o terrorismo. Nós sabemos, em grande parte, o que o Irã representa para para os seus vizinhos e para o mundo. A vida pregressa dele (Suleimani) era voltada em grande parte para o terrorismo", disse.

"Nossa posição aqui no Brasil é bem simples, tudo que pudermos fazer para combater o terrorismo, nós faremos. Nós somos favoráveis a qualquer medida que combata o terrorismo no mundo", afirmou.

A declaração se contrasta até mesmo com o tom usado por tradicionais aliados dos EUA. Ainda que apoiem uma ação americana e sejam críticos dos iranianos, vários foram os governos que se disseram preocupados com o impacto para a estabilidade internacional e pediram "calma" de todas as partes. Bolsonaro simplesmente se limitou a repetir o mantra americano sobre o Irã. "Não podemos concordar em grande parte com o que acontece lá", disse o presidente.

Papel protocolar

O brasileiro ainda acenou com uma posição desconfortável ao ser questionado sobre o caso e, rompendo anos de uma política externa afirmativa, preferiu ficar as margens do caso argumentando que não tinha poder bélico para comentar. "Prefiro não tocar nesse assunto. O Brasil não tem uma participação ativa no mundo no combate ao terrorismo, apenas protocolar. Então prefiro ficar por aqui", disse.

Em outro momento, para jornalistas, ele voltou a evitar falar do que pensava da operação. "Eu não tenho o poderio bélico que o americano tem para opinar neste momento. Se tivesse, opinaria", completou. Cabe ao governo apenas lidar com o impacto que a crise possa ter para os preços dos combustíveis.

No fundo, o que o Brasil não tem, com essa declaração, é uma diplomacia independente e capaz de falar sobre um ataque americano em solo estrangeiro. Afinal, para falar de paz, segurança e estabilidade, não se requer poderio militar. Mas uma postura de credibilidade no cenário internacional.

No Itamaraty, a postura seguiu uma linha similar de justificar o ataque como um ato na luta contra o terrorismo, sem mencionar que se tratava de um governo estrangeiro. "O Governo brasileiro manifesta seu apoio à luta contra o flagelo do terrorismo e reitera que essa luta requer a cooperação de toda a comunidade internacional sem que se busque qualquer justificativa ou relativização para o terrorismo", disse.

"O Brasil está igualmente pronto a participar de esforços internacionais que contribuam para evitar uma escalada de conflitos neste momento", garantiu.

"O terrorismo não pode ser considerado um problema restrito ao Oriente Médio e aos países desenvolvidos, e o Brasil não pode permanecer indiferente a essa ameaça, que afeta inclusive a América do Sul", afirmou.

"Diante dessa realidade, em 2019 o Brasil passou a participar em capacidade plena, e não mais apenas como observador, da Conferência Ministerial Hemisférica de Luta contra o Terrorismo, que terá nova sessão em 20 de janeiro em Bogotá", destaca o Itamaraty.

"O Brasil acompanha com atenção os desdobramentos da ação no Iraque, inclusive seu impacto sobre os preços do petróleo, e apela uma vez mais para a unidade de todas as nações contra o terrorismo em todas as suas formas", afirmou.

Mas se o governo não questiona a iniciativa de Trump, Brasilia optou por "condenar igualmente os ataques à Embaixada dos EUA em Bagdá, ocorridos nos últimos dias, e apela ao respeito da Convenção de Viena e à integridade dos agentes diplomáticos norte-americanos reconhecidos pelo governo do Iraque presentes naquele país".

O assassinato de Qasem Soleimani pelos EUA tem sido condenada pela China, Rússia e mesmo pelos democratas americanos. Na Europa, governos imediatamente lançaram apelos para que uma guerra seja evitada, mesmo que reconheçam o papel perigoso que Soleimani teve ao longo de anos na desestabilização da região.

Nos últimos meses, o governo brasileiro tem sido pressionado por Trump a incrementar a pressão sobre o Irã, inclusive se distanciando de contratos comerciais e até mesmo o abastecimento de navios de Teerã.

Em muitos aspectos, o Brasil já cedeu. Conforme a coluna revelou em dezembro, o Itamaraty vai sediar, à pedido dos EUA, uma conferência internacional em fevereiro sobre a situação no Oriente Médio e Irã. O evento, porém, é visto como um instrumento do governo Trump de estabelecer um plano para a região que permita frear a influência iraniana e apoiar governos aliados, como Israel.

Nem chineses, nem alemães, russos ou franceses aceitaram participar do encontro.

Jamil Chade