PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Internacionalização da Amazônia é "mentira" de Bolsonaro, diz Yanomami

Victor Moriyama/ISA
Imagem: Victor Moriyama/ISA
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

04/03/2020 04h04

Resumo da notícia

  • Vencedor do "Nobel Alternativo", Davi Kopenawa insiste que ameaça alertada pelo governo sobre entrega da floresta é apenas para desviar atenção
  • Indígena alerta para infiltração de ex-missionários evangélicos no governo e na Funai

Davi Kopenawa Yanomami está com medo. Medo de bala. Ocupando a posição de um dos principais líderes indígenas brasileiros no exterior e vencedor do prêmio Right Livelihood, conhecido como Nobel Alternativo, ele deixa claro que vive uma situação de risco e que o atual governo tem feito de tudo para aprofundar a crise.

Mas ele também desmente os argumentos do governo de Jair Bolsonaro de que existiria um risco de as terras indígenas serem alvo de alguma espécie de ação internacional para violar a soberania do Brasil.

De passagem por Genebra nesta semana para reuniões na ONU e com lideranças internacionais, o indígena conversou com a coluna sobre a atual situação no Brasil. Ele fez parte de uma denúncia apresentada contra as políticas do governo de Jair Bolsonaro, numa iniciativa que contou com o Instituto Socioambiental e a Comissão Arns, apoiado pela Conectas.

Internacionalização da Amazônia

No topo de suas preocupações está a ofensiva do governo sobre as terras indígenas. "Bolsonaro não gosta de nós", disse. "Bolsonaro não está nos respeitando. Ele diz que nossa terra é muito grande. Que tem pouco índio. Mas ele está preocupado por querer extrair a riqueza do subsolo", afirmou.

Para o líder yanomami, membros do governo "só defendem o interesse de seus parentes". "Eles protegem garimpeiros, o pessoal da mineração, de plantação de soja. São eles que são protegidos", disse.

Davi Kopenawa ainda alerta que o governo tem se utilizado de "mentiras" para distrair a atenção da opinião pública. Uma delas é o suposto risco de internacionalização da terras na Amazônia. "Isso é mentira de Bolsonaro. Não existe esse risco", garantiu.

Em 2019, em meio aos incêndios na floresta e à pressão internacional, o governo passou a usar uma narrativa de que tudo não passava de uma tentativa de potências estrangeiras em colocar as mãos sobre a floresta brasileira. Para Brasília, certas lideranças indígenas estariam sendo manipuladas para que tal objetivo fosse obtido.

A reunião do G7, na França, ainda marcou um mergulho inédito na política ambiental brasileira, colocando o país num cenário de uma clara ofensiva por parte de governos estrangeiros. Mas a resposta do governo foi a de denunciar um manobra que ameaçaria a soberania nacional.

"Isso não existe. Eu não vendo o meu país. Ele (Bolsonaro) é quem está vendendo o país. Ele já está vendendo o país. Mas ele não vai te dizer isso não. Nós, povos indígenas, sabemos que os americanos estão chegando e é ele que está negociando. Nós não negociamos isso", insistiu.

Segundo ele, suas visitas pela Europa visam apenas a garantir apoio internacional para "proteger a grande alma da floresta e nossos irmãos".

Davi Kopenawa ainda rejeita a outra tese de parte do governo de que haveria uma movimentação para que os Yanomamis declarassem uma espécie de independência de seu território em relação ao Brasil. "

"As autoridades também falam que estão preocupados com a possibilidade de vendermos ou criarmos o nosso país independente. Isso é mais uma mentira. O governo, quando diz isso, quer na verdade juntar meus inimigos contra mim e matar meu povo", denunciou.

Missionários evangélicos

Kopenawa também afirma estar alarmado com a crescente presença de ex-missionários evangélicos nos órgãos de Estado. Há um mês, o pastor e ex-missionário evangélico Ricardo Lopes Dias foi nomeado para dirigir o departamento da Funai responsável pela proteção de índios isolados.

"Eu conheço os missionários. Eles entraram em nossas comunidades. Eu tinha medo deles quando eu era pequeno. Eles vêm falando que foi Deus que os enviou para nossas casas para nos cuidar. Eles são mais espertos que os outros brasileiros. Dizem que vão abrir uma pequena escola, ensinar matemática e sua própria língua. Mas preparar um rapaz para ser guerreiro, ele não ensina. Nossas lideranças perguntavam a ele como é que eles iriam nos cuidar. E eles diziam: Vamos morar com vocês. Mas eles não cuidam. Por isso estou muito preocupado", disse.

"Agora, o presidente (Bolsonaro) convocou um missionário para ir para a casa deles (índios isolados). Mas eles levam doença. Não precisamos desse deus. Nós temos o nosso deus. Até hoje estou esperando Jesus chegar. Os pastores são muito mentirosos e enganaram meus parentes que não falam português. Estão querendo acabar com meu povo", declarou.

O líder indígena classificou a estratégia de colocar ex-missionários como uma "armadilha". "Já tivemos outras armadilhas. O (ex-presidente) Lula também ja fez armadilha para nos pegar. Fizeram Bolsa Família", atacou.

"Não é hora de guerra"

Kopenawa sabe que está sob ameaça. "Eu sou perseguido. os garimpeiros me perseguem. Eu tenho medo. Medo de bala. De homem não tenho medo", disse. Segundo ele, os espíritos e a Polícia Federal o protegem. Mas se recusa a ter uma pessoa sentada diante de sua porta.

Ainda assim, ele não acredita que seja ainda o momento de seu povo entrar em guerra contra o governo. "Não vamos atacar ninguém. Nós não estamos prontos para atacar o presidente. Nossas regras não permitem. O pajé espera. Não é hora de guerra. Quem faz coisas ilegais é ele (Bolsonaro). Mas, se formos atacados, teremos de nos defender", afirmou.

Segundo ele, a resposta hoje não viria com flechas ou atentados. "Os ataques virão na forma de chuva, muito trovão, derrubando a casa, alagando as cidades. Essa é a força da natureza. Nossa resposta é diferente. A natureza dá uma resposta diferente", explicou. "Os espíritos não fazem guerra com flechas. Mas com relâmpagos fortes, vento. Agora, se formos atacados, vamos atacar também", completou.

Jamil Chade