PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Como a China garantiu abastecimento durante 2 meses de quarentena

Coronavírus: Equipe médica em hospital temporário de Wuhan, na China - Xinhua/Fei Maohua
Coronavírus: Equipe médica em hospital temporário de Wuhan, na China Imagem: Xinhua/Fei Maohua
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

30/03/2020 04h00

Nos últimos dias, diversas cidades chinesas que foram colocadas em quarentena em janeiro começaram a ver suas regras de restrição de movimentos sendo relaxadas. As medidas foram adotadas depois que o número de novos do coronavírus casos desabou.

Mas enquanto milhões de pessoas estavam fechadas em seus pequenos apartamentos, um aspecto foi considerado como estratégico pela cúpula do regime comunista: o abastecimento de alimentos e remédios.

Sem tal garantia, a percepção da liderança era de que a quarentena não funcionaria e que a crise da pandemia poderia desestabilizar o governo.

Foi colocado em funcionamento, portanto, um sofisticado plano para garantir que não faltasse alimentos e que, ao mesmo tempo, adotasse medidas de cautela para impedir a transmissão do vírus.

Controle do Estado

Fontes na diplomacia em Pequim revelaram à coluna que o esquema contou com um forte controle do estado, num regime que não tolera a liberdade de expressão ou críticas. Mas se o Estado chinês tem sido tradicionalmente um agente presente no mercado nos últimos anos, ele passou a ser determinante desde janeiro.

Pequim liberou no mercado estoques estratégicos com milhares de toneladas de produtos. Mas também passou a aplicar multas pesadas contra empresários que elevaram preços. Uma rede de supermercado foi multada em mais de US$ 70 mil por elevar o preço do pepino.

A inflação ocorreu. Mas, segundo especialistas, poderia ter sido muito maior. Os problemas eram reais. Milhares de camponeses não podiam sair de suas casas para realizar a colheita e caminhoneiros estavam impedidos de transitar.

Com uma autoridade central, Pequim ainda se dedicou a identificar quais regiões do país tinham superávit na produção e onde começava a faltar suprimentos.

Canais verdes

Coube ao Estado desenhar novas rotas de transporte pelo país, o que ficou conhecido por "canais verdes".

Por essas vias, funcionários eram autorizados a transitar apenas com bens estratégicos para abastecer cidades em quarentena. Além disso, empresas que realizavam o transporte garantiam que seus motoristas não vinham de zonas afetadas e que todos eram regularmente testados.

Em poucos dias, transportadoras especializadas em produtos de alta tecnologia estavam transportando frutas.

Junto com a abertura de vias, a China estabeleceu um sistema centralizado de compras. Em Shandong, produtores foram orientados a produzir e entregar diariamente 600 toneladas de alimentos frescos por duas semanas.

As maiores estatais de alimentos no país, como o COFCO e Sinograin, ampliaram a produção de arroz, carne e outros produtos.

Chengyi Lin, professor de estratégia do instituto francês INSEAD, acredita que o envolvimento dos grandes conglomerados chineses foi fundamental. Lin contou à coluna que, no início do século 21, viveu a experiência da Sars. Mas, hoje, a Ásia reagiu com mais calma que o resto do mundo diante da nova pandemia.

De acordo com o especialista, milhões de equipamentos de proteção foram entregues aos funcionários das fábricas que precisavam continuar operando. Muitas delas ainda operaram com dois turnos e grupos de empregados que não se cruzavam.

Essas empresas ainda aumentaram a produção de máscaras, suspenderam férias e deram aumento de salários.

A Alibaba Group, por exemplo, passou a contratar milhares de empregados que ficaram impossibilitados de trabalhar por terem ficado "presos" fora de áreas em quarentena onde suas fábricas estavam instaladas. Os novos funcionários foram todos destinados à nova logística de distribuição.

Maturidade em uma sociedade digital

Lin aponta para outro fenômeno que contribuiu de forma decisiva para o abastecimento na China: a digitalização da sociedade e maturidade pela qual os consumidores lidam com a tecnologia.

Sem estar preparados, os cidadãos de Wuhan foram os primeiros a serem surpreendidos pelo confinamento. Nos primeiros dias, esse susto se transformou em uma corrida aos supermercados, esvaziando as prateleiras.

"No entanto, em questão de dias, os suprimentos começaram a fluir para Wuhan", aponta o especialista. "Embora os medos e as preocupações com a doença tenham sido altos, os residentes rapidamente se conformaram com o confinamento e aproveitaram a tecnologia digital para se organizar e entrar em contato com fornecedores", disse.

Na avaliação do especialista, dois fatores foram fundamentais. Um deles era o sistema já amplamente usado de entrega de alimentos e compras em casa. Milhares de lojas, mercearia de alimentos e empresas fazem parte de redes que, nos últimos anos, se transformaram em algo presente no cotidiano das pessoas.

Assim, dias depois da quarentena, empresas como a Alibaba já tinham redirecionado sua estrutura para servir as cidades confinadas.

"Nos últimos cinco anos, o Grupo Alibaba, JD.com, MTDP (Meituan Dianping) e muitas outras empresas transformaram o comportamento de compra dos consumidores chineses", disse.

"Em 2019, a penetração do comércio eletrônico na China tinha, segundo uma estimativa, atingido 36,6% das vendas de varejo, com 71% dos consumidores chineses efetuando transações online em algum momento, na sua maioria através de aplicações de smartphones", apontou Lin.

A taxa é muito superior ao que existe hoje na Europa ou EUA, onde apenas 16% das vendas em 2019 foram feitas por meio de plataformas de comércio eletrônico. Segundo Lin, isso representa um atraso de quatro anos em relação ao cenário chinês.

Outro elemento importante da estratégia foi o estabelecimento de uma organização rígida sobre a entrega de alimentos e outros produtos às casas das pessoas. Nos condomínios fechados, estabeleceu-se um sistema em que voluntários ou residentes se encarregavam de abrir os portões para a entrega e, depois de garantir a limpeza dos pacotes, colocavam nas portas de cada um dos apartamentos.

Assim, evitava-se aglomerações de pessoas e o contato entre vizinhos que poderiam estar contaminados.

Confiança

Para Lin, ter a garantia de que o abastecimento seria realizado deixou milhões de chineses mais confiantes de que a quarentena poderia ser enfrentada. "As pessoas precisam continuar vivendo", disse. Em sua avaliação, a falta de alimentos, numa crise de saúde, poderia ter de fato um impacto profundo, inclusive para a garantia de que os indivíduos estivessem saudáveis para enfrentar o vírus.

Sua avaliação, porém, conclui com uma constatação: na China, o abastecimento e a quarentena apenas funcionaram por existir, acima de tudo, uma "confiança de que o sistema funcionaria". "Existiu uma confiança e isso fez a diferença", completou.

Jamil Chade