PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Pandemia vai desviar trajetória do PIB brasileiro em 11 pontos percentuais

Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto - Ueslei Marcelino
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto Imagem: Ueslei Marcelino
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

08/04/2020 10h00

Resumo da notícia

  • OMC estima que comércio mundial pode sofrer contração de 32% em 2020
  • Queda prevista é superior ao colapso dos bancos, em 2008, e comparável à Grande Depressão
  • América Latina sofrerá maior queda do PIB no mundo

A Organização Mundial do Comércio (OMC) estima que a pandemia do coronavírus vai desviar a trajetória do PIB brasileiro em até 11,6 pontos percentuais em 2020, numa das quedas mais profundas entre as grandes economias do mundo.

No melhor dos cenários, o desvio na trajetória do crescimento do país seria de 4,5 pontos percentuais.

A informação faz parte do informe sobre comércio da entidade que alerta que o colapso nos mercados será um dos maiores em gerações. A projeção é de que a contração chegue a 32% dos fluxos no mundo.

No caso do Brasil, a estimativa aponta para uma queda de 20,2% no pior dos cenários. Caso haja uma retomada rápida da economia mundial, a queda seria ainda assim de 8%.

Os técnicos da entidade alertam que, de fato, o Brasil já estava passando um período de desaceleração de sua economia e que, portanto, não chegou à pandemia com condições sólidas. No comércio, o Brasil registrou uma contração de 7% em 2019 e ficou estagnado no ranking dos maiores exportadores do mundo, na 27a posição.

De acordo com a OMC, o PIB da América do Sul deve ser o que mais sofrer uma contração no mundo, mesmo no cenário mais otimista em que governos conseguirão retomar suas atividades e mercados. A queda poderia variar entre 4,3% e 11%. A OMC ainda estima que o comércio deve sofrer uma queda que pode variar entre 12,9% e 31,3% em exportações. A região ainda seria o local mais afetado pela queda de importações, com uma contração que poderia chegar a 43%.

"Ninguém vai ficar imune, mesmo aqueles que não serão fortemente afetados pela pandemia" disse Roberto Azevedo, diretor-geral da OMC. "Vai ser uma batalha se recuperar disso", disse.

Em seu informe publicado nesta quarta-feira, a entidade comandada pelo brasileiro alertou que o tombo será superior ao que foi registrado na crise de 2008 e equivalente ao que existiu depois da Grande Depressão, nos anos 30. "Comparar com a Grande Depressão é inevitável", alertou Azevedo.

As estimativas da recuperação esperada em 2021 são igualmente incertas, dependendo os resultados em grande medida da duração do surto e da eficácia das respostas políticas. Mas, se houver uma forte cooperação internacional, a retomada poderia ser relativamente rápida.

De uma forma global, a paralisia da China nos dois primeiros meses do ano e a adoção de quarentenas em diversos países pelo mundo fecharam fábricas, lojas e interromperam o comércio de uma maneira inédita em um período de paz.

O resultado pode ser uma contração que poderia variar entre 13% e 32%. De acordo com a OMC, a queda é explicada "pela natureza sem precedentes desta crise sanitária e pela incerteza em torno do seu impacto econômico preciso".

"Esta crise é, antes de mais, uma crise sanitária que obrigou os governos a tomar medidas sem precedentes para proteger a vida das pessoas", afirmou Azevêdo. "As inevitáveis quedas no comércio e na produção terão consequências dolorosas para as famílias e as empresas, para além do sofrimento humano causado pela própria doença", disse.

"O objetivo imediato é controlar a pandemia e atenuar os prejuízos econômicos para as pessoas, as empresas e os países. Mas os responsáveis políticos devem começar a planear as consequências da pandemia", alertou.

"Estes números são feios - não há como contornar isso", disse o brasileiro. "Mas é possível uma recuperação rápida e vigorosa. As decisões tomadas agora irão determinar a forma futura da recuperação e as perspectivas de crescimento global. Precisamos lançar as bases para uma recuperação forte, sustentada e socialmente inclusiva", defendeu.

"O comércio será aqui um ingrediente importante, juntamente com a política fiscal e monetária. Manter os mercados abertos e previsíveis, bem como promover um ambiente empresarial mais favorável em geral, será fundamental para estimular o investimento renovado de que vamos precisar. E, se os países trabalharem em conjunto, assistiremos a uma recuperação muito mais rápida do que se cada país agir sozinho", disse.

Em 2019, a OMC estimava que o comércio mundial cresceria em 3% em 2020. Os mais afetados, porém, seriam os asiáticos e os países da América do Norte, com queda de 36% e 40%, respectivamente.


Contração já em 2019

Os resultados previstos para 2020 ocorrem depois de um ano de contração no comércio mundial. Em 2019, a OMC constata que houve uma contração de 3% em valores no fluxo de exportações, além de uma queda de 0,1% em volumes.

A estimativa em abril de 2018 era de que, para 2019, a expansão fosse de 4%. Em setembro de 2018, ela já havia sido revista para 3,7%. Uma nova previsão foi realizada, com apenas 2,6%. Mas os números finais foram ainda mais baixos,.


Brasil estagnado em ranking

Os dados também revelam que o Brasil, apesar de uma política de abertura comercial, continua patinando no mercado internacional. No primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro, o país ficou estagnado no ranking da OMC, com vendas de US$ 223 bilhões.

Em 2018, as estimativas apontaram que a guerra comercial entre americanos e chineses beneficiou o Brasil em alguns setores pontuais. Em vendas, portanto, o País registrou um aumento de 10% em 2018, também ajudado pela expansão dos preços de commodities. A taxa de crescimento no País ficou dentro da média mundial, que também registrou uma expansão em valores de 10% em 2018. No total, o Brasil exportou US$ 240 bilhões e viu um aumento de 35% de suas vendas para a China. Em grande parte, essa venda foi composta pela soja, substituindo o produto americano.

Mas a situação mudou de forma radical em 2019. De acordo com a entidade, a queda no comércio em valores foi de 7%. No ranking divulgado nesta quarta-feira, o Brasil foi superado pelo Vietnã, além de Malásia, Arábia Saudita e outras economias.

Em termos de participação no mercado internacional, o Brasil manteve uma fatia de 1,2%, a mesma taxa estagnada desde 2016.

O País, que chegou a ser o 22º maior exportador do mundo, previa estar entre os 20 primeiros no ranking internacional, o que nunca ocorreu.

Nessa classificação da OMC, a líder é a China, com US$ 2,4 trilhões em vendas em 2019. Os americanos aparecem com US$ 1,6 trilhão.


Importação

Entre os importadores, o país também ficou estagnado na 28o posição, com uma contração de 2% e um valor total de US$ 184 bilhões.

Em 2018, uma leve recuperação do comércio tinha sido registrada, numa relação direta com o comportamento da economia e o aumento das compras diante do fim da recessão. A taxa de expansão em valores de quase 20% naquele ano foi duas vezes maior que a média mundial, permitindo que o Brasil se posicione na 28a colocação. Em volume, o crescimento de importações foi de mais de 11%, taxa duas vezes maior que o restante da América do Sul.

Em 2016, a recessão no Brasil levou o País a sofrer a maior queda de importações entre as grandes economias do mundo. A contração, segundo a OMC, já havia começado em 2014 e 2015. Em 2016, a queda foi de quase 20% nas importações, bem acima da média de uma redução de 3% no mundo. O resultado, de US$ 143 bilhões, levou o Brasil a despencar no ranking dos maiores importadores. Em 2013 e 2014, o Brasil aparecia na 21a posição entre as economias que mais importavam. Ao final de 2016, o País estava na 28ª posição, superado até mesmo pela pequena economia da Áustria.

Jamil Chade