PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

OMS: surto atingiu platô e Brasil tem a oportunidade para assumir controle

Média de mortes por covid na cidade de SP cai quase 20% em 3 semanas - Edu Cavalcanti/UOL
Média de mortes por covid na cidade de SP cai quase 20% em 3 semanas Imagem: Edu Cavalcanti/UOL
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

17/07/2020 13h13

O diretor de operações da OMS, Michael Ryan, aponta que existem os primeiros sinais que os números de proliferação de casos da covid-19 no Brasil tenham se estabilizado nos últimos dias e que o país tem, pela primeira vez, a "oportunidade" de iniciar um caminho em direção ao controle da doença.

Mas ele também alerta que o país até agora não conseguiu reduzir a taxa de novos casos de transmissão. Sem uma ação das autoridades, o recado da agência é de que não existem garantias de que a epidemia perca força no país.

Em sua coletiva de imprensa nesta sexta-feira, a agência de saúde voltou a alertar sobre a situação brasileira. Segundo Ryan, os números diários estão estabilizados em cerca de 40 a 45 mil casos. "Não estamos vendo o aumento que tivemos no mês de abril e maio, quando vimos uma taxa elevada de crescimento", afirmou.

Segundo ele, entre os meses de junho e jullho um "platô está ocorrendo".

Mas ele faz um alerta. "O que não ocorreu é que essa doença não está descendo a montanha", disse Ryan. "Os números se estabilizaram. Mas o que não fizeram é começar a cair de uma forma sistemática e diária. O Brasil está ainda no meio da luta", apontou.

Ryan indicou que, hoje, 11% dos casos envolve trabalhadores do setor de saúde. "Isso, por si só, é uma tragédia", disse. "Os trabalhadores do setor de saúde estão pagando o preço mais alto", insistiu.

Para a OMS, outro sinal positivo é o número de reprodução do vírus, que estaria entre 0,5 e 1,5 no país. Nos meses de abril e maio, ele chegou a variar entre 1,5 e 2. Ou seja, cada pessoa infectada contaminava duas outras pessoas.

"Hoje, o vírus não esta dobrando na comunidade com a velocidade que ocorria antes", disse Ryan. "O aumento não é mais exponencial. Ele tem atingido um platô. Mas os casos e mortes não pararam e não há garantiria de que vá cair por si só", disse. "Vimos isso em outros países", insistiu.

"Há um platô, há uma oportunidade para o Brasil empurrar a doença para baixo, para assumir o controle. Para suprimir o vírus", insistiu.

Na avaliação da OMS, o Brasil é um dos exemplos no mundo onde até agora o "vírus continua estabelecendo as regras e está controlando a situação". "Nós precisamos estabelecer as regras do vírus e há uma oportunidade para fazer isso quando os números os estabilizam", defendeu. "Essa oportunidade existe agora para o Brasil", disse.

Com 2 milhões de casos no país, porém, ele aponta que a situação brasileira exigirá uma ação ampla das autoridades e mantida ao longo de meses. "Isso vai exigir uma ação sustentada", declarou Ryan.