PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Putin felicita Biden como presidente eleito, e deixa Bolsonaro por último

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

15/12/2020 06h07

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, felicitou nesta terça-feira o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, por sua vitória nas eleições. O ato deixou o presidente Jair Bolsonaro como o último chefe de estado entre as grandes economias a evitar fazer um gesto de reconhecimento da derrota de Donald Trump, seu principal aliado no mundo.

Numa nota emitida pelo Kremlin, o governo de Moscou indicou que estava aguardando o final do processo eleitoral nos EUA, o que ocorreu na segunda-feira com o voto formal do colégio eleitoral. Mas dezenas de líderes pelo mundo, inclusive parceiros próximos de Trump, como Israel ou Índia, já tinham felicitado Biden pela vitória. Na ONU, o democrata também já era reconhecido como vencedor.

A coluna havia revelado que Brasília não pretendia reconhecer a derrota de Trump e sustentou ao longo de semanas o mesmo discurso do americano de que a eleição tinha sido "roubada". Nenhuma evidência foi a apresentada por Bolsonaro para legitimar o argumento, repetido por blogueiros que fazem parte do bolsonarismo, filhos do presidente e seus aliados.