PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

MST vence prêmio internacional

Colaboradores do MST do Paraná trabalham na produção de marmitas para serem doadas durante a pandemia - Wellington Lenon
Colaboradores do MST do Paraná trabalham na produção de marmitas para serem doadas durante a pandemia Imagem: Wellington Lenon
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

20/10/2021 04h07

O MST venceu um prêmio internacional por sua atuação na garantia de condições dignas de vida e de trabalho para a população. Nesta semana, o movimento brasileiro será um dos cinco escolhidos na OIT (Organização Internacional do Trabalho) para receber o prêmio Esther Busser.

A premiação será realizada virtualmente, no dia 22 de outubro, depois de uma avaliação sobre centenas de organizações e indivíduos de países emergentes que dedicam seu trabalho à justiça social. "Na pandemia, o MST desenvolveu iniciativas de solidariedade à classe trabalhadora e doou mais de 5 mil toneladas de alimentos e cerca de 1 milhão de marmitas", explicou o movimento.

"A partir do Plano Nacional "Plantar Árvores, Produzir Alimentos Saudáveis", o movimento já plantou mais de 1 milhão de árvores em todo país e, no último mês, construiu mais de 100 viveiros da Reforma Agrária Popular, com o objetivo de impulsionar a produção de mudas e plantio de arvores", disse.

O nome do prêmio é uma homenagem a Esther Busser, defensora dos direitos dos trabalhadores, com destaque para a sua atuação como pesquisadora e diretora adjunta da Confederação Sindical Internacional (ITUC) por uma década.