PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Democracia no Brasil foi a que mais sofreu no mundo em 2020, diz entidade

Militares prestam continência a Bolsonaro - Presidência da República
Militares prestam continência a Bolsonaro Imagem: Presidência da República
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

22/11/2021 10h09

O Brasil foi o país que mais sofreu uma deterioração no que se refere aos "atributos democráticos" em seu regime político em 2020 e, na década, foi um dos cinco que mais regrediu no aspecto das garantias democráticas.

Um informe publicado nesta segunda-feira pelo Instituto International IDEA, com sede em Estocolmo, constata que a situação do país é uma das que mais preocupam no mundo. A entidade é considerada como uma das principais referências no mundo na avaliação sobre a saúde das democracias.

"O Brasil foi a democracia com o maior número de atributos em declínio em 2020", diz o estudo. "A gestão da pandemia tem sido atormentada por escândalos e protestos de corrupção, enquanto o Presidente Jair Bolsonaro minimizou a pandemia e deu mensagens mistas", afirma.

"O presidente testou abertamente as instituições democráticas do Brasil, acusando os magistrados do Tribunal Superior Eleitoral de se prepararem para conduzir atividades fraudulentas em relação às eleições de 2022 e atacando a mídia", afirmou.

"O presidente também declarou que não obedecerá às decisões do Supremo Tribunal Federal, que o está investigando por divulgar falsas notícias sobre o sistema eleitoral no país", completou.

Em seu informe, chamado de "O Estado da Democracia em 2021", a entidade alerta que "mais países do que nunca sofrem de "erosão democrática" (declínio na qualidade democrática), inclusive nas democracias estabelecidas".

"O número de países em "retrocesso democrático" (um tipo mais severo e deliberado de erosão democrática) nunca foi tão alto como na última década e inclui potências geopolíticas e econômicas regionais como o Brasil, a Índia e os Estados Unidos", aponta.

Na década entre 2010 e 2020, o Brasil também aparece como um dos cinco países com maior declínio na qualidade da democracia. Os outros são Turquia, Nicarágua, Sérvia e Polônia.

Mesmo no que se refere ao processo eleitoral, as constatações são preocupantes.

"Um total de 10 democracias experimentaram declínios nas Eleições Limpas desde 2015: Bolívia, Botsuana, Brasil, República Tcheca, Hungria, Índia, Ilhas Maurício, Namíbia, Polônia e EUA. Neste período, cinco outros países perderam seu status democrático devido a severas quedas (Benin, Costa do Marfim, Honduras, Sérvia e Turquia)", disse.

O informe ainda aponta como no México e Brasil, "os presidentes questionaram a integridade das comissões eleitorais antes das eleições". "No Brasil, o presidente foi ainda mais longe, questionando o sistema eleitoral de 25 anos de idade, e alegando que as eleições poderiam ser canceladas a menos que fosse alterado", insistiu.