Jamil Chade

Jamil Chade

Siga nas redes
Reportagem

Sauditas fecham acordo com Embraer e avaliam investimentos no Novo PAC

O governo saudita fechou um acordo com a Embraer e estuda um aporte de US$ 9 bilhões (R$ 43,9 bilhões) em investimentos no Brasil até 2030, principalmente nas áreas previstas no Novo PAC. Os dois governos ainda projetam mais que dobrar o comércio bilateral até o final da década, e Riad abrirá um escritório de investimentos em São Paulo, a InvestSaudi.

Essas são alguns dos resultados da missão do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Arábia Saudita hoje. A viagem ocorre em um momento de aproximação entre os dois países. Mas tem sido criticada por mandar mensagens contraditórias sobre o compromisso do Brasil com direitos humanos e com o clima.

Um dos caminhos propostos pelo Brasil para a concretização dos investimentos sauditas é a criação de um fundo comum, com a participação do BNDES e recursos sauditas. O tema será debatido nos próximos meses, enquanto a Apex também avalia abrir um escritório na capital saudita.

Investimentos de US$ 2,6 bilhões da Vale também foram mencionados pelo presidente da agência de promoção de exportações, Jorge Viana.

Embraer e setor de defesa saudita

O Palácio do Planalto ainda anunciou que a Embraer assinou três acordos de cooperação com o governo e empresas sauditas nas áreas de aviação civil, defesa e segurança, e mobilidade aérea urbana. Antes da guerra na Ucrânia, a Arábia Saudita havia se transformado no maior importador de armas e material de defesa do mundo.

"Estes acordos permitirão à empresa estabelecer diversas linhas de colaboração e iniciativas conjuntas, públicas e privadas, expandindo oportunidades de investimento e parcerias com a indústria local, além de incrementar exportações a partir do Brasil", disse o governo.

Os acordos assinados pela Embraer na Arábia Saudita são:

  • Cooperação e Parcerias com o governo saudita (Ministério de Investimento da Arábia Saudita e o Gaca, a autoridade aeronáutica saudita)
  • Memorando de entendimento com a Sami, empresa saudita de Defesa;
  • Memorando de entendimento da EVE, o "carro voador", com a FlyNas, sobre operações de táxi aéreo naquele país.
Continua após a publicidade

Ontem, o príncipe herdeiro e primeiro-ministro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, se reuniu com Lula. "Os dois discutiram o fortalecimento das relações bilaterais, investimentos nas duas direções e oportunidades para empresas nacionais no país árabe", afirmou o Planalto.

"Um dos pontos da conversa foi o investimento de US$ 10 bilhões [R$ 48,8 bilhões] que o Fundo Soberano Saudita planeja aplicar no Brasil. Desse montante, US$ 9 bilhões estão previstos para os próximos sete anos", destaca.

Entre os setores de interesse estão projetos na área de energia limpa, hidrogênio verde, defesa, ciência e tecnologia, agropecuária e aportes em infraestrutura conectados ao Novo PAC.

Durante o encontro, Lula destacou o potencial do Brasil para a transição energética e ações de combate à crise climática. "Ele antecipou ao príncipe que o Brasil vai apresentar na COP28, em Dubai, avanços no controle do desmatamento e ações conectadas à preservação e proteção das florestas tropicais", disse.

Segundo o governo, a Arábia Saudita tem objetivos de sustentabilidade que envolvem a produção de 90 GW de energia limpa, até 2030, tanto dentro quanto fora do país. "O Brasil é um dos países com maior potencial para receber investimentos com esse fim, em energias renováveis, como o hidrogênio verde", diz a nota do governo. De acordo com o governo, Lula convidou o líder saudita a visitar o Brasil e conhecer a Amazônia.

Os dois líderes ainda projetam que as transações comerciais entre os dois países possam saltar dos atuais US$ 8 bilhões (R$ 39 bilhões) para US$ 20 bilhões (R$ 97,4 bilhões) até 2030.

Continua após a publicidade

Lula, num discurso durante o encerramento de um seminário de empresários em Riad, insistiu que quer dos sauditas um novo modelo de aproximação. "Não queremos apenas vender. Queremos parcerias de verdade", disse o presidente, destacando a necessidade de que se crie postos de trabalho em ambos os países.

Para ele, não se trata apenas de quanto o fundo soberano saudita vai investir no Brasil. Mas também quanto os empresários nacionais vão atuar no mercado saudita. "Esse é o novo jeito de fazer política externa", defendeu.

Sauditas com aportes ao Banco dos Brics e exportação de US$ 1 tri até 2030

Lula ainda comemorou a adesão dos sauditas aos Brics e quer, agora, que Riad ajude a fortalecer o Banco dos Brics. A meta seria a de "mudar as facetas dos bancos multilaterais".

Segundo ele, o atual modelo de financiamento por parte de instituições internacionais convive com a aplicação de "taxas de juros escorchantes" que "mata" a possibilidade de desenvolvimento dos países.

Lula ainda apontou que quer o Brasil somando US$ 1 trilhão em exportações até 2030, cifra que já havia sido citada pela Apex no começo do ano como meta para o país. Isso, porém, exigiria dobrar o valor exportado pelo Brasil, a abertura de novos mercados e o aumento das vendas de produtos de maior valor agregado.

Continua após a publicidade

Guerra e investimentos em fertilizantes

O presidente brasileiro anda defendeu "investimentos cruzados" entre a Petrobras e empresas sauditas para a produção de fertilizantes e, assim, a redução das incertezas geradas pela guerra na Ucrânia.

Lula ainda usou sua passagem por Riad para criticar a guerra, ainda que não tenha mencionado nem palestinos, israelenses, ucranianos ou russos. Para ele, porém, a guerra é a "falência do diálogo".

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora