PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Kassab se esquiva de apoio à reeleição de Bolsonaro e cogita nome do PSD

Em conversa com a coluna, Kassab afirma que PSD não tem pretensão de crescer no governo Bolsonaro, e sinaliza projeto de candidatura própria do partido em 2022 - Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo
Em conversa com a coluna, Kassab afirma que PSD não tem pretensão de crescer no governo Bolsonaro, e sinaliza projeto de candidatura própria do partido em 2022 Imagem: Amanda Perobelli/Estadão Conteúdo
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

17/11/2020 04h09

O PSD recebeu 10,6 milhões de votos no primeiro turno da eleição municipal de 2020. Ficou em terceiro lugar no ranking dos mais votados. Animado com o desempenho, Gilberto Kassab, presidente da legenda, evita comprometer-se com o apoio à reeleição de Jair Bolsonaro. Afirma que o PSD cogita lançar sua própria candidatura presidencial em 2022.

"Não há partido que tenha o respeito do eleitor se não deixar claro que o objetivo será sempre apresentar, em todas as eleições, candidaturas majoritárias", disse Kassab à coluna. "Não será diferente em 2022 —para governador e presidente da República." E quanto aos nomes? Kassab citou três: os senadores Antonio Anastasia (MG) e Otto Alencar (BA), além do governador Ratinho Júnior, do Paraná.

Kassab evitou comprometer-se com o apoio à reeleição de Jair Bolsonaro. Esquivou-se também de analisar alternativas como o governador paulista João Doria, o ex-ministro Sergio Moro e o apresentador Luciano Huck. "Por coerência, tenho que me concentrar no projeto próprio. Não vamos analisar nesse momento nenhum projeto de aliança."

Em número de prefeitos, o PSD subiu de 540 para 636. Está na cola do PP, principal legenda do centrão, que entrou na eleição com 498 prefeituras e já coleciona 648. As duas legendas ficam atrás apenas do MDB, que elegeu 750 prefeitos. A diferença é que o MDB, que controlava 1.049 prefeituras, perde densidade enquanto PP e PSD ganham musculatura.

Kassab concordou com o raciocínio segundo o qual Bolsonaro saiu do processo eleitoral com o semblante de perdedor. Mencionou o caso da capital paulista: "Em São Paulo, apoiou o Celso Russomanno, que derreteu. Portanto, o Bolsonaro perdeu."

O PSD reelegeu dois prefeitos de capital no primeiro turno: Marquinhos Trad, em Campo Grande (MS); e Alexandre Kalil, em Belo Horizonte (MG). Ambos integram o que Bolsonaro chama de "turma do fique em casa".

"O presidente da República transmitiu para o brasileiro uma falta de preocupação com a pandemia", declarou Kassab. "Isso não ajuda. Aconteceu o mesmo também com Donald Trump, nos Estados Unidos." Vai abaixo a entrevista:

UOL - Quais são os planos do PSD para 2022 a partir do crescimento da legenda na eleição municipal?

Gilberto Kassab - Não há partido que tenha o respeito do eleitor se não deixar claro que o objetivo será sempre apresentar, em todas as eleições, candidaturas majoritárias. Somos o partido que mais lançou candidatos no plano majoritário depois do MDB. Não será diferente em 2022 para governador e presidente da República. Temos que fazer um esforço para ter uma candidatura a presidente. Sempre preservando o objetivo de crescer o partido. Depois da data do Carnaval, analisaremos a candidatura.

Há nomes?

Temos alguns nomes. O senador Antonio Anastasia tem muita credibilidade. Temos o governador Ratinho Júnior. Há também o senador Otto Alencar. Acho que podem ganhar uma eleição, porque o partido tem dimensão para lançar uma candidatura e trabalhar o nome. São pessoas que, caso se elejam presidente, têm experiência para fazer um bom governo. Temos condições de discutir isso.

Essa defesa de candidatura presidencial própria é retórica ou há de fato um plano do partido de lançar um nome?

Nosso objetivo é o de ter uma candidatura. A gente sabe que isso depende de uma série de circunstâncias. Mas temos bons quadros que poderão, sim, ser bons candidatos. Ganhar ou perder é do jogo. Veja o caso do Andrea Matarazzo (candidato a prefeito do PSD em São Paulo). Ele perdeu, mas o partido saiu de cabeça erguida. E ele também. A eventual derrota não fragiliza o partido.

Trabalha com a hipótese de apoiar a reeleição Bolsonaro ou a eleição de alguma das alternativas que frequentam o noticiário? Refiro-me a João Doria, Sergio Moro e Luciano Huck.

Por coerência, tenho que me concentrar no projeto próprio. Não vamos analisar nesse momento nenhum projeto de aliança. Vamos nos concentrar na candidatura própria. Estamos nos esforçando muito.

Acha que o presidente Bolsonaro saiu derrotado do processo eleitoral?

Numa eleição municipal, o eleitor decide seu voto pensando na escola pública que o seu filho frequenta, no centro de saúde em que seu pai ou sua mãe se tratam, na árvore da sua rua. O apoio do presidente nem sempre interfere. Mas é evidente que o presidente Bolsonaro quis participar. Quando isso acontece, se ele dá apoio a um candidato e esse candidato perde, ele perde junto. Onde o presidente deu apoio e o seu candidato perdeu, o presidente também perdeu. Não significa que a derrota se repetirá obrigatoriamente mais à frente. Sempre lembro da minha campanha para prefeito de São Paulo. O então presidente Lula participou ativamente da campanha da Marta Suplicy. Ele vinha quase que toda semana para São Paulo. Perdeu as eleições. Dois anos depois, ele elegeu a Dilma Rousseff presidente. O Geraldo Alckmin não foi nem para o segundo turno quando disputou a prefeitura. Dois anos depois virou governador de São Paulo. Hoje, na eleição municipal, o presidente perdeu. Ponto. Em São Paulo, apoiou o Celso Russomanno, que derreteu. Portanto, o Bolsonaro perdeu.

Identificou nas urnas de 2020 uma mudança no humor do eleitorado?

Essa mudança de humor se reflete nas pesquisas nacionais. Sempre cito as pesquisas feitas pela XP Investimentos. Como a XP disponibiliza muitos recursos e faz duas pesquisas por mês, o número de informações faz com que a margem de erro seja muito baixa. Nessa pesquisa, nota-se um desgaste de quem é governo, pelo menos na cidade de São Paulo —seja governador ou presidente.

Alexandre Kalil, bem avaliado na gestão da pandemia, foi reeleito prefeito de Belo Horizonte no primeiro turno. Acha que o comportamento do presidente da República —ao menosprezar o isolamento social e criticar uma vacina — pode ter influído?

Creio que sim. O presidente foi bem na gestão. Não faltaram recursos para os municípios. Teve prefeitura que nem conseguiu gastar os recursos recebidos. Mas no plano da comunicação e da postura pessoal, eu jamais teria o comportamento do presidente Bolsonaro. Ele transmitiu para o brasileiro uma falta de preocupação com a pandemia. Isso não ajuda. Aconteceu também com o Donald Trump nos Estados Unidos.

O presidente Bolsonaro telefonou para parabenizar o partido pelo desempenho?

Não. Nenhum contato.

O desempenho do PSD fortalece o partido no relacionamento com o governo?

Nossa relação com o governo federal é bastante cuidadosa. Nossos parlamentares têm independência para ter uma relação mais próxima ou mais distante. Entendemos que qualquer governo tem que ter governabilidade. Mas a governabilidade que a gente empresta a esse governo é aquela vinculada a projetos que a gente acredita que seja bom para o país. Deputados e senadores, na sua maioria, têm votado a favor dos projetos do governo.

Afora a presença do deputado Fábio Faria no Ministério das Comunicações, o PSD cogita reivindicar maior presença no governo?

Não. Os parlamentares, alguns deles mais próximos do governo, têm suas indicações. É natural. Na democracia, as eleições existem para que você possa ter pessoas que, durante um período determinado, façam a gestão de um país, do estado, do município. É a coisa mais natural do mundo. Cada parlamentar, aqueles que são mais próximos do governo têm as suas relações, alguns cargos. Mas no plano partidário não há essa participação. No caso do Fábio Faria o próprio presidente fez questão de dizer que era uma escolha pessoal. Valorizamos muito o Fabio, mas sua vinculação com o governo não tem a ver com o partido.

Quer dizer que não há interesse do PSD em aumentar sua presença no governo?

O partido não tem presença. Em relação à bancada, a decisão é dos parlamentares. Não há nenhuma objeção do partido a que um parlamentar, se consultado pelo governo, decida. Os cargos, as necessidades existem em qualquer governo. É natural que consultem aliados, para ter à frente de cargos e funções pessoas que sejam próximas. Mas não temos nenhum objetivo de crescer a participação em termos partidários. Essa ação dos parlamentares é desvinculada do partido.

Colaborou Vinícius Konchinski

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL