PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Caso Flordelis exibe o perigo de misturar assuntos caros à política barata

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

24/11/2021 09h15

A condenação de dois filhos de Flordelis pela morte do pai, o pastor Anderson do Carmo, consolida a demolição da fachada religiosa que encobria a atuação da ex-deputada Flordelis, acusada de mandar matar o marido. Ela está presa desde agosto, quando a Câmara cassou o seu mandato. O caso reforça a impressão que o eleitor deveria tomar cuidado com personagens que misturam temas caros como religião e família com a política barata.

Flordelis se exibia nos púlpitos do Rio de Janeiro e nos corredores de Brasília como uma evangélica de mostruário, esposa feliz do casamento com um pastor e matriarca prestimosa de uma grande família em que se misturavam os filhos naturais e os adotivos. As condenações dos filhos Flávio e Lucas —um como executor do assassinato do pai, outro como comprador da arma do crime— ainda estão sujeitas a recurso. Mas o advogado de um dos filhos já informou que não cogita recorrer. A casa da deputada desmoronou.

Eleitores de bom senso deveriam abrir os olhos para políticos que pedem votos falando em Deus com grande devoção e defendendo os valores da família com enorme convicção. Certos cristãos não devem ser confundidos com cristãos certos. Sob pena de Deus acabar se convencendo de que não merece existir.