PUBLICIDADE
Topo

Josmar Jozino

PCC paga até hoje "pensão vitalícia" para assassinos de juiz-corregedor

Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

18/11/2021 04h00

Fontes policiais que investigam o crime organizado garantem: O PCC (Primeiro Comando da Capital) paga até hoje uma espécie de "pensão vitalícia" para os assassinos do juiz-corregedor de Presidente Prudente, Antônio José Machado Dias, morto a tiros em 14 de março de 2003.

O pagamento da "mesada" foi divulgado em primeira mão em reportagem publicada pelo jornal Agora São Paulo na edição de 28 de novembro de 2013, após denúncia feita ao MP-SP (Ministério Público Estadual) por um presidiário, ex-integrante do PCC.

Planilhas de contabilidade apreendidas com faccionados na década passada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), subordinado ao MP-SP, também comprovaram a veracidade da informação do prisioneiro.

Na época, a "pensão vitalícia" era de R$ 5 mil mensais. Policiais civis ouvidos pela coluna, na condição de anonimato, revelaram que esse valor é pago até hoje e serve como ajuda de custo às famílias dos assassinos e também para custear eventuais despesas arcadas por eles na prisão.

Segundo investigações, o plano do PCC para matar o magistrado, responsável por cuidar dos processos de execução criminal dos chefes da maior facção criminosa do país, recolhidos à época em penitenciárias na região Oeste do Estado, começou a ser traçado no início de 2003.

Terno era disfarce

Um terno foi o disfarce usado em março daquele ano por Adilson Daghia, 52, o Ferrugem, para entrar no fórum de Presidente Prudente (SP) - como se fosse advogado - e observar a rotina do juiz-corregedor Antônio José Machado Dias, sem levantar suspeitas.

machadinho - Divulgação - Divulgação
Juiz Antônio José Machado Dias, assassinado em 2003 a mando do PCC
Imagem: Divulgação

Ferrugem, sempre em trajes sociais, foi ao fórum várias vezes na primeira quinzena de março. Ele localizou e identificou Machadinho, como o juiz era conhecido, pela placa com o nome do magistrado fixada na porta do gabinete dele.

O corregedor chegou a ser seguido até a casa dele. Ferrugem e os comparsas traçaram o trajeto que o magistrado fazia a bordo de um Vectra. Os integrantes do PCC também descobriram que o juiz, às sextas-feiras, tinha o hábito de deixar o fórum às 18h, sem escolta.

O PCC escolheu a data de 14 de março de 2003, uma sexta, para pôr o plano em prática. A facção providenciou um Uno branco, clonado, para ser utilizado no crime. As placas de São Paulo, do veículo, foram substituídas pelas de Presidente Prudente. A troca foi feita em uma borracharia da cidade.

Por volta das 18h, o Vectra de Machadinho foi interceptado pelo Uno pilotado por Ferrugem nas imediações do fórum. Reinaldo Teixeira dos Santos, 43, o Funchal, desceu do veículo clonado e, armado de pistola 9mm, atirou e matou o juiz-corregedor.

Liberados em posto policial

A dupla era esperada por outro comparsa. Ronaldo Dias, 44, o Chocolate, os aguardava ali perto em um Gol branco. O automóvel ocupado com os assassinos saiu em alta velocidade em direção à Rodovia Raposo Tavares. No acesso à Rodovia Castello Branco, o carro foi abordado em um posto policial.

Funchal escondia a pistola 9mm entre as pernas. Um policial militar pediu os documentos do Gol e a carteira de habilitação para Chocolate. Os três assassinos do juiz-corregedor ficaram durante 20 minutos dentro do carro no posto policial. A documentação estava em ordem e eles foram liberados.

Os criminosos seguiram até Sorocaba (SP), onde João Carlos Rangel Luíse, o Jonny, acusado de providenciar o Uno clonado, aguardava Funchal. Chocolate e Ferrugem seguiram viagem para São Paulo e foram se esconder, a princípio, na Favela do Vietnã, na zona sul de São Paulo.

Nos presídios dominados pelo PCC, milhares de prisioneiros comemoraram o cruel assassinato do corregedor. Segundo a Polícia Civil, autores do crime participaram de churrasco em uma comunidade na capital paulista no dia seguinte ao homicídio para festejar o sucesso da emboscada.

Bilhete do PCC

A morte do corregedor teve repercussão mundial e a prisão dos envolvidos no assassinato era questão de honra para a polícia. Uma importante pista para esclarecer o crime veio da Penitenciária de Avaré (SP), onde estava recolhida a alta cúpula do PCC.

Um bilhete escrito na cela um dia após o homicídio pelo preso Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue - assassinado em fevereiro de 2018 pela próprio PCC no Ceará - apontava a facção criminosa como mandante da morte do magistrado.

gegê - Reprodução - Reprodução
Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue
Imagem: Reprodução

Um agente penitenciário apreendeu o papel e passou o teor da mensagem com exclusividade para um repórter do Diário de S. Paulo.

Segundo o MPE-SP, o bilhete tinha como destino a cela de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder máximo do PCC, e comunicava a morte do juiz.

Tempos depois, a Polícia Civil identificou e prendeu os acusados de envolvimento no crime. Funchal foi condenado a 66 anos de prisão, Ferrugem a 52 anos, Chocolate a 47 anos e Jonny a 18 anos. A pena para Marcola e Júlio César Guedes de Moraes, o Carambola, foi de 29 anos cada.

Defensores dos réus sempre afirmaram que os clientes jamais integraram o PCC e que nunca receberam "mesada" da facção criminosa. Marcola e Julinho Carambola também alegaram em depoimentos judiciais que não são do crime organizado e que não foram mandantes da morte do magistrado.

As disputas por poder e dinheiro dentro da principal organização criminosa do Brasil são narradas na segunda temporada do documentário do "PCC - Primeiro Cartel da Capital", produzido por MOV, a produtora de documentários do UOL, e o núcleo investigativo do UOL.