PUBLICIDADE
Topo

Josmar Jozino

De 5 ladrões condenados pelo maior roubo a banco no Brasil só um está preso

Jóias roubadas do assalto ao banco Itaú em São Paulo há dez anos - Divulgação
Jóias roubadas do assalto ao banco Itaú em São Paulo há dez anos Imagem: Divulgação
Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

21/11/2021 04h00

Dos cinco ladrões condenados a 18 anos e oito meses pelo maior roubo da história do País, estimado em até R$ 500 milhões entre joias, pedras preciosas e moedas estrangeiras levados do Banco Itaú da avenida Paulista, em agosto de 2011, só um está preso e em regime semiaberto.

Segundo investigações da Polícia Civil, com as ajudas de um vigilante e de um funcionário da empresa responsável pelo alarme da agência, os assaltantes ficaram 10 horas no banco e arrombaram 161 cofres de clientes. As vítimas são de classe alta.

João Paulo dos Santos, 43, cumpre pena no CPP (Centro de Progressão Penitenciária de Valparaíso). O advogado dele, Alex Galanti Nilsen, disse que o cliente tem bom comportamento, trabalha e estuda na prisão e vai ser beneficiado com o regime aberto em março do ano que vem.

A pena de Santos vence em 29 de junho de 2035. Documento do Ministério Público Estadual de 24 de novembro de 2020 diz que o preso já atingiu o lapso temporal para a progressão do regime aberto, mas adverte que o pedido deve ser analisado de forma mais criteriosa.

Santos foi condenado pelo roubo ao Itaú em outubro de 2013. Ele recorreu, e em 29 de setembro de 2016 a Justiça o autorizou a aguardar em liberdade a apelação. Mas em 16 de outubro de 2018 foi preso usando documento falso e recebeu uma pena de mais dois anos e meio.

Vigia teve morte natural

O vigilante Nivaldo Francisco de Souza, acusado de facilitar a entrada dos ladrões no banco, não ficou sete anos preso. Ele foi detido em novembro de 2011 e, segundo a SAP (Secretaria Estadual da Administração Penitenciária) morreu aos 54 anos, de causa natural, fora da prisão, em 26 de abril de 2018.

O operador de segurança Cléber da Silva Pereira, 35, concorreu, segundo as investigações, para que os alarmes fossem desligados na área de acesso aos cofres. A SAP informou que ele saiu em liberdade condicional do CPP de São José do Rio Preto em 11 de novembro de 2019.

Dono de uma loja de autopeças à época do roubo, Alessandro Fernandes, 48, especialista no uso de maçaricos, providenciou as ferramentas para arrombar os cofres e, junto com o comparsa João Paulo, aliciou o vigilante Nivaldo Souza a participar do crime.

Alessandro Fernandes deixou o CPP de Mongaguá em 7 de outubro de 2016 graças a um habeas corpus.

O quinto condenado, Francisco Rodrigues dos Santos, 55, o Chico, filmado por câmeras de segurança dentro do banco no dia do roubo, não foi preso até hoje.

A SAP informou que Chico é egresso do CDP (Centro de Detenção Provisória) de Vila Independência desde 17 de abril de 2008. No BNMP (Banco Nacional de Mandados de Prisão) consta que ele é procurado desde 25 de outubro de 2013, quando foi condenado pelo roubo ao Itaú.

joias - Divulgação - Divulgação
Joias roubadas do assalto ao banco Itaú em São Paulo
Imagem: Divulgação

Mais de cem vítimas

O Poder Judiciário classificou o roubo ao Itaú como o "mais ousado assalto a banco da história do Brasil.

Na sentença de condenação dos réus, o juiz Rafael Henrique Janela Tamai Rocha, da 4ª Vara Criminal, escreveu que "foi o maior crime patrimonial contra instituições financeiras do país".

Dos 161 cofres arrombados, em 142 havia joias, metais preciosos, canetas e relógios de ouro, dólares, euros e documentos. Pelas estimativas do magistrado, os ladrões levaram de R$ 250 milhões a R$ 500 milhões em bens dos clientes.

Muitas vítimas não prestaram queixa porque não haviam declarado os bens. A Polícia Civil informou na ocasião que famílias tradicionais de São Paulo, como a do ex-governador Paulo Maluf, tiveram os pertences roubados.

Uma empresária procurou a polícia para registrar o boletim de ocorrência e revelou que do cofre dela foram roubados 1.255 joias, moedas de ouro, pedras preciosas e relógios. De outra correntista, os ladrões levaram 1.360 peças de joias e de pedras preciosas.