PUBLICIDADE
Topo

Juliana Dal Piva

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Marco Aurélio manda para PGR denúncia sobre cheques de Queiroz a Michelle

A primeira-dama Michele Bolsonaro - AFP
A primeira-dama Michele Bolsonaro Imagem: AFP
Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva é formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e possui mestrado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas. Trabalhou nos jornais O Dia, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e revista Época. Obteve oito premiações de jornalismo. Entre elas, o Prêmio Líbero Badaró de jornalismo impresso em 2014 e também foi menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Em 2019, recebeu ainda o Prêmio Relatoría para la Libertad de Expresión (RELE) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, pelo trabalho "Em 28 anos, clã Bolsonaro nomeou 102 pessoas com laços familiares".

Colunista do UOL

27/04/2021 04h00

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello enviou na última sexta-feira (23) para análise da PGR (Procuradoria-Geral da República) uma notícia de fato a respeito dos R$ 89 mil depositados pelo policial militar Fabrício Queiroz e por sua mulher, Márcia Aguiar. na conta de Michelle Bolsonaro, entre 2011 e 2016.

Nos dados financeiros da quebra de sigilo bancário e fiscal de Queiroz, foi descoberto que ele depositou um total de R$ 72 mil em 21 cheques. Já Márcia Aguiar repassou R$ 17 mil para Michelle Bolsonaro de janeiro a junho de 2011. Os dados foram revelados pela revista "Crusoé".

Um conjunto menor de cheques para a primeira-dama, no total de R$ 24 mil, já tinha sido identificado em 2018 no relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). Bolsonaro, à época, se defendeu e admitiu que fez um empréstimo para Queiroz, mas declarou valores menores.

"Não foi por uma, foi por duas vezes que o Queiroz teve uma dívida comigo e me pagou com cheques. E não veio para a minha conta esse cheque, porque simplesmente eu deixei no Rio de Janeiro. Não estaria na minha conta. E não foram R$ 24 mil; foi R$ 40 mil", afirmou o presidente. Depois que o conjunto maior de cheques veio à tona, o presidente nunca explicou a diferença e, quando um repórter o questionou sobre o assunto, ele chegou a ameaçá-lo de agressão.

Denúncia feita por advogado

A notícia de fato é uma denúncia feita para apreciação dos órgãos do Ministério Público. Neste caso específico, a demanda é de autoria do advogado Ricardo Bretanha, e foi protocolada em agosto do ano passado.

A PGR recebeu os autos para análise esta semana e disse à coluna apenas que "os pareceres são apresentados nos autos dos processos". Procurada, a Presidência da República não se manifestou.

Quando os dados sobre os cheques vieram à tona, o Ministério Público do Rio de Janeiro informou que a primeira-dama não era investigada.

Defensor de Queiroz, o advogado Paulo Emílio Catta Preta afirma que se pronunciará apenas nos autos.