PUBLICIDADE
Topo

Juliana Dal Piva

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Na prefeitura do Rio, Crivella gastou R$ 604 mil em viagens internacionais

O ex-prefeito Marcelo Crivella - Reprodução
O ex-prefeito Marcelo Crivella Imagem: Reprodução
Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva é formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e possui mestrado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas. Trabalhou nos jornais O Dia, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e revista Época. Obteve oito premiações de jornalismo. Entre elas, o Prêmio Líbero Badaró de jornalismo impresso em 2014 e também foi menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Em 2019, recebeu ainda o Prêmio Relatoría para la Libertad de Expresión (RELE) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, pelo trabalho "Em 28 anos, clã Bolsonaro nomeou 102 pessoas com laços familiares".

Colunista do UOL

13/05/2021 04h00

O ex-prefeito do Rio Marcelo Crivella gastou um total de R$ 604.991,41 dos cofres públicos do município em seis viagens internacionais à Europa e à China entre maio de 2017 e fevereiro de 2018.

O caso foi investigado pela 1ª promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital e está na pauta de discussão desta quinta-feira no Conselho Superior do MP-RJ (Ministério do Rio de Janeiro). Procurado por meio de seus advogados, o ex-prefeito não retornou aos contatos da coluna.

Os gastos apurados pelo MP incluem despesas de Crivella e outros integrantes de sua comitiva. A mais cara das viagens foi para a China entre 2 e 10 de novembro de 2017. Só nesta, a prefeitura gastou R$ 301.538,97. Na época, foi divulgado que o prefeito iria buscar investimentos financeiros.

A segunda que mais custou aos cofres públicos foi uma viagem à Alemanha, Áustria e Suécia entre 11 e 16 de fevereiro de 2018. Custou um total de R$ 73.347,24. Nessa, durante o carnaval daquele ano, o prefeito chegou a dizer que não seria uma viagem oficial. Ao ser descoberta pela imprensa, ele declarou: "Não era uma viagem oficial. Era uma viagem minha, para melhorar a Segurança do Rio de Janeiro", afirmou, ao dizer que apesar de ser pessoal, tinha trabalhado. Depois, voltou atrás e disse que era oficial.

Em maio daquele ano, Crivella esteve ainda em Moscou, na Rússia, entre 20 e 25 de maio de 2017. O custo? R$ 44.279,12. Depois foi ainda em Amsterdã, na Holanda, entre 12 e 17 de junho de 2017. A prefeitura pagou R $77.436,81.

Crivella também esteve em Paris, na França, e isso custou R$ 44.034,39 aos cofres públicos pela viagem entre 3 e 8 de julho de 2017. O ex-prefeito ainda esteve em Dubai, nos Emirados Árabes, de 12 a 19 de outubro de 2017 e a prefeitura pagou R$ 64.354,88 por isso.

Apesar dos valores expressivos, a investigação da promotoria sobre as viagens terminou com um pedido de arquivamento já que o Tribunal de Contas do Município aprovou por unanimidade as despesas. O Conselho Superior do MP analisa hoje o pedido de arquivamento. Procurado, o relator do processo, o procurador Márcio Mothé Fernandes, disse que não podia comentar o caso até o julgamento.

A prefeitura editou, em novembro de 2017, uma resolução na qual elevou em 46% o valor das diárias pagas aos agentes públicos municipais em viagens oficiais ao exterior. No caso do prefeito, o valor da diária em deslocamentos para Europa foi reajustado de 297,27 para 435,87 euros. Em viagens fora da Europa a diária foi de 280 para 410,55 dólares.

Os gastos ocorreram no mesmo período em que Crivella alegava uma série de dificuldades financeiras. Em abril de 2017, o prefeito chegou a anunciar que poderia não conseguir pagar os salários do funcionalismo meses depois devido à queda de receitas e despesas.

"Segundo o Tesouro, se vocês consultarem na prefeitura, em setembro já não há mais caixa para pagar os salários. A prefeitura está vivendo uma crise imensa, nunca viveu nos últimos 30 anos, em decorrência de uma administração temerária e muitas obras e também de uma queda de arrecadação por conta da crise do estado", chegou a dizer Crivella, em 2017. Nos anos seguintes, ocorreram diversos atrasos nos pagamentos.

O ex-prefeito Marcelo Crivella foi preso em dezembro do ano passado em uma outra investigação do MP-RJ que o denunciou por desvios de dinheiro público na prefeitura do Rio durante seu mandato. Mas o STF (Supremo Tribunal Federal) concedeu um habeas corpus e ele responde ao processo em liberdade.