PUBLICIDADE
Topo

Juliana Dal Piva

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Defesa pede audiência virtual para evitar transferir Ribeiro a Brasília

Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva é formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e possui mestrado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas. Trabalhou nos jornais O Dia, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e revista Época. Obteve oito premiações de jornalismo. Entre elas, o Prêmio Líbero Badaró de jornalismo impresso em 2014 e também foi menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Em 2019, recebeu ainda o Prêmio Relatoría para la Libertad de Expresión (RELE) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, pelo trabalho "Em 28 anos, clã Bolsonaro nomeou 102 pessoas com laços familiares".

Colunista do UOL

22/06/2022 12h03

A nova defesa do ex-ministro Milton Ribeiro peticionou na manhã de hoje um pedido, na 15ª Vara Federal da Justiça Federal do Distrito Federal, para que ele faça uma audiência de custódia virtual ainda em Santos (SP), onde aguarda a transferência para Brasília, conforme o que foi determinado na sua prisão.

Ribeiro foi preso em uma operação da Polícia Federal junto com pastores acusados de operar um balcão de negócios dentro do Ministério da Educação e na liberação de verbas do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Até o momento, o ex-ministro segue em Santos.

Até o momento, a audiência para discutir a custódia de Ribeiro está marcada para quinta-feira às 14h.

Na petição, obtida pela coluna, os advogados argumentam para que Ribeiro faça "a mencionada audiência de custódia em umas das varas federais da Subseção Judiciária de Santos/SP, via videoconferência, ferramenta essa plenamente viável entre o TRF1 e o TRF3 através dos sistemas eletrônicos (Teams, Zoom etc...) além de outros que Vossa Excelência julgue pertinente". Daniel Bialski, Bruno Borragine e Bruna Luppi Moraes assinam a peça.

Os advogados foram contratos nesta quarta-feira. Anteriormente, Ribeiro era representado pelo advogado Luiz Carlos Neto. Em nota, a nova defesa também disse que deve entrar com um habeas corpus para revogar a prisão. "Já pedimos acesso aos autos para poder, ainda hoje, entrar com Habeas Corpus visando o reconhecimento da coação ilegal imposta, especialmente porque os fatos são pretéritos e sem contemporaneidade, não se poderia decretar a medida excepcional", informa a nota.