PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Plínio Fraga


Datafolha mostra forte perda de influência de Bolsonaro no Rio de Janeiro

O presidente Jair Bolsonaro é reprovado por 41% dos cariocas; 60% se recusariam a votar em candidato apoiado por ele - Adriano Machado/Reuters
O presidente Jair Bolsonaro é reprovado por 41% dos cariocas; 60% se recusariam a votar em candidato apoiado por ele Imagem: Adriano Machado/Reuters
Plínio Fraga

Plínio Fraga é jornalista desde 1989. Foi editor-chefe da revista Época, editor de política da Folha e do Jornal do Brasil e repórter da revista Piauí e de O Globo. Lançou em 2017 a biografia "Tancredo Neves, o príncipe civil" (editora Objetiva). É doutorando Mídia e Mediações Socioculturais na Universidade Federal do Rio de Janeiro. A coluna se propõe a olhar com lupa o ir-e-vir e os desvãos da política. Análises, perfis e reportagens sobre eleições, governos, congresso, assembleias, marketing político, pesquisas eleitorais, as redes sociais como nova praça pública, debates de ideias e políticas públicas, como segurança, redução da desigualdade e crescimento econômico

Colunista do UOL

16/12/2019 04h00

A vigorosa perda de influência do presidente Jair Bolsonaro no município do Rio de Janeiro é um dos destaques da pesquisa Datafolha divulgada no final de semana. Uma conclusão simples a que se chega é de que o trator Bolsonaro que ajudou a eleger Wilson Witzel (PSC) ao governo do Estado do Rio de Janeiro _ à época eram aliados _ tem chances reduzidas de se repetir em 2020.

Muitos dos aliados do presidente ainda acreditam na sua capacidade de inventar um candidato a seu feitio para a eleição carioca, mas os números mostram que a tarefa será dificílima.

A reprovação a Bolsonaro no Rio chega a 41% _cinco pontos acima da média brasileira. E a aprovação está em 29% _um ponto abaixo da taxa nacional. Os eleitores que disseram que rejeitariam um candidato a prefeito apoiado por Bolsonaro atingem 60% _ contra 38% que afirmaram que votariam com certeza ou talvez votassem num nome apoiado pelo presidente.

Na eleição presidencial do ano passado, Bolsonaro recebeu 58% dos votos do eleitorado carioca no primeiro turno e 66% no segundo turno. Em pouco mais de um ano, o capital de Bolsonaro entre os cariocas foi reduzido em mais de um terço.

Sim, é preciso relativizar porque a pesquisa apenas mediu a capacidade de transferência de votos de Bolsonaro. Não se trata da sua própria candidatura no município. A leitura dos números, entretanto, permite a conclusão feita por um dos oposicionistas: o fenômeno Bolsonaro começou no Rio de Janeiro e esse termômetro mostra uma resiliência menor do que a esperada.

É fato que a pesquisa também informa que cabos eleitorais fortes como Lula, Witzel e até Edir Macedo não se saem numericamente melhores do que o presidente. O apoio do petista tiraria votos de um candidato para 61%, o do governador tiraria votos para 63% e o do bispo da Universal mais atrapalha do que ajuda para 82% dos eleitores.

No caso de Lula, especificamente, os números mostram uma recuperação de parte do prestígio.

Dos entrevistados, 38% disseram que votariam ou poderiam votar em um nome apoiado pelo petista. A taxa é idêntica à de Bolsonaro. Ao se cotejar com a eleição presidencial de 2018, no entanto, percebe-se uma mudança de patamar.

Fernando Haddad, o candidato de Lula no Rio, obteve apenas 13% dos votos no município, um quinto dos votos de Bolsonaro, ficando distante de Ciro Gomes, que conseguiu o segundo lugar com 19,5% dos votos.

Na disputa municipal em si, o número mais importante é o que mostra que, com os atuais pré-candidatos, um terço dos eleitores prefere votar em branco ou anular seu voto.

O empate técnico entre Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Freixo (PSOL) _ 22% a 18% _ e o fracasso do prefeito Marcelo Crivella (PRB) _ com 8% _ estabelecem um cenário confuso para o futuro. Ex-aliado de Lula, Paes buscará ser o candidato de Bolsonaro e Witzel? Atacará Freixo por sua provável aliança com o PT? O candidato do PSOL conseguirá romper o isolamento da esquerda?

Crivella, outro ex-aliado lulista, já se converteu ao bolsonarismo, mas, somando a rejeição do presidente com a de Edir Macedo, terá uma estrada curta pela frente? De qualquer modo, tem mais chances hoje de levar a prefeitura do Rio quem trouxer para si mais votos do centro e há um espaço gigante de crescimento para um nome que contorne o descrédito do eleitorado com os atuais pré-candidatos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Plínio Fraga