PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

'Gatinha da Cracolândia' vai confessar tráfico à Justiça, diz advogada

Gatinha da Cracolândia l Lorraine Cutier Bauer Romeiro - Reprodução/Instagram
Gatinha da Cracolândia l Lorraine Cutier Bauer Romeiro Imagem: Reprodução/Instagram
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

16/11/2021 16h05

Lorraine Cutier Bauer Romeiro, de 19 anos, que ficou conhecida como a "Gatinha da Cracolândia", vai confessar o crime de tráfico de drogas à Justiça.

A informação foi dada à coluna pela advogada Patrícia Carvalho, que representa Lorraine. A confissão da jovem, que foi presa em julho na cidade de Barueri, deverá ser feita na audiência judicial que será realizada nesta sexta-feira, dia 19.

A advogada diz que, embora Lorraine admita ter realizado tráfico de drogas, ela nega que a droga apreendida pela polícia em um hotel na Cracolândia lhe pertencia.

"Ela afirma que o flagrante foi forjado", afirma a advogada. Segundo o relato de Lorraine, os policias a prenderam em Barueri e a levaram para a Cracolândia. Na ocasião, a polícia divulgou que ela teria admitido ter drogas guardadas em um hotel. "Ela disse que se sentiu ameaçada por eles e que aquelas drogas não lhe pertenciam", diz a advogada.

Lorraine, que à época da prisão tinha 30 mil seguidores no Instagram, havia dito em setembro à Record que não era traficante. "Sou usuária", afirmou à época. "Nunca vendi, só ia para comprar." Na ocasião da entrevista, a jovem era defendida por outro advogado.

A advogada Patrícia Carvalho, que assumiu o caso recentemente, disse que trabalha "sempre com a verdade" e que Lorraine está disposta a contar a história real à Justiça. "Defendo os direitos e as garantias do acusado, mas nunca a conduta criminosa."