PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Vizinha dos Jardins é condenada a pedir desculpas a Doria por fake news

João Doria - ISAAC FONTANA/ESTADÃO CONTEÚDO
João Doria Imagem: ISAAC FONTANA/ESTADÃO CONTEÚDO
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

02/05/2022 09h55

O Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão que condenou a empresária Alessandra Batha Maluf a pagar uma indenização de R$ 50 mil ao ex-governador João Doria (PSDB), além de publicar um pedido de desculpas na imprensa.

Em maio do ano passado, a empresária, que é vizinha do tucano no Jardim Europa, em São Paulo, gravou vídeo afirmando que um dos filhos de Doria estava promovendo uma festa em plena pandemia.

"Muito bem, parabéns, ele [Doria] fecha o país, mas o filho tá dando uma festa, do lado da casa dele, a vida continua pra ele", dizia a gravação.

A história viralizou na internet, mas não era verdadeira. Não havia festa alguma na casa dos Doria. Em um imóvel ao lado, o barulho estava sendo produzido por quatro amigos, que cantavam e conversavam.

O desembargador José Carlos Costa Netto, relator do processo no Tribunal de Justiça, ressaltou na decisão que a empresária causou transtornos políticos e abalos ao então governador sem ter nenhuma confirmação sobre o que divulgou. O filho de Doria, inclusive, estava em Paraibuna, no interior do Estado.

Na defesa apresentada à Justiça, a defesa da empresária disse que ela gravou realmente o vídeo, mas que não o propagou na internet.

"[Alessandra] não criou nenhum fato, apenas reportou que estava ocorrendo uma festa em plena pandemia", afirmou. "Ela jamais teve a pretensão de atingir a honra e a reputação do governador, mormente porque a festa ocorreu e a residência era atribuída a ele."

O desembargador destacou que um laudo pericial comprovou que a empresária enviou o vídeo para grupos de WhatsApp com a descrição "Festa no Doria", referindo-se ao local que "ela supunha estar sendo habitado pelo filho do governador".

Além da indenização por danos morais de R$ 50 mil, a empresária terá de pagar R$ 12 mil em honorários ao advogado de Doria. Alessandra ainda pode recorrer da decisão.

A empresária foi alvo também de um segundo processo (uma queixa crime), que foi encerrado após ela concordar em pagar uma pena pecuniária de R$ 8 mil ao Fundo Municipal da Criança e do Adolescente.