PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria


Bolsonaro acha que Rodrigo Maia age como candidato ao Planalto e se irrita

Rodrigo Maia levou uma comitiva de deputados ao encontro com Alberto Fernandez, presidente eleito da Argentina - Divulgação
Rodrigo Maia levou uma comitiva de deputados ao encontro com Alberto Fernandez, presidente eleito da Argentina Imagem: Divulgação
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

09/12/2019 11h45

Além do governador João Doria (PSDB-SP) e do apresentador de TV Luciano Huck, o presidente Jair Bolsonaro acredita que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também tenta se colocar como candidato de centro-direita ao Palácio do Planalto nas eleições de 2022.

Por conta dessa avaliação, Bolsonaro coloca Maia no mesmo rol de inimigos prioritários em que classifica Doria e Huck. Para ele, o aparecimento de um candidato viável de centro-direita, qualquer que seja, pode vir a ser o maior empecilho à sua reeleição.

Além das críticas constantes ao governo, o último gesto de Rodrigo Maia que irritou o presidente da República foi sua visita, na semana passada, ao presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández.

Bolsonaro havia se declarado contrário ao candidato de centro-esquerda do país vizinho e a favor da reeleição do direitista Maurício Macri. Em Buenos Aires, Maia disse ter levado uma mensagem do presidente brasileiro de "boa relação" com o novo governo e que o Congresso brasileiro iria atuar nessa direção.

Depois do encontro, Bolsonaro divulgou que decidiu não mais mandar um representante de primeiro escalão à posse de Fernández, amanhã.

Outro gesto de Rodrigo Maia que levou Bolsonaro a se convencer de que o presidente da Câmara age como candidato ao Planalto foi o lançamento grupo "Centro, o Brasil em Movimento", reunindo cinco partidos -PP, DEM, PL, Solidariedade e Avante- e uma parcela do MDB e do Republicanos.

Maia lidera o movimento. Foi ele quem indicou o marqueteiro Chico Mendez, para realizar os vídeos de campanha do grupo.

Até agora, foram concluídos dois vídeos, Estão hospedados numa plataforma lançada neste final de semana: https://www.obrasilemmovimento.com.br. Lá, afirma-se:

Somos uma união de partidos de centro que defende a democracia acima de tudo. Na nova era dos extremos, a política como conciliação corre risco. Somos a antítese daqueles que procuram limitar a realidade em apenas uma única visão de mundo.

Para Bolsonaro, trata-se da primeira plataforma de campanha de Rodrigo Maia. Uma forma de o presidente da Câmara se colocar como opção de centro caso as candidaturas Huck e Doria não progridam. Ou mesmo para cacifar os partidos de centro numa aliança em 2022.

Dentro do governo, a crítica à atitude do presidente da Câmara é de que ela levará a uma disputa maior entre Congresso e o Executivo a partir do ano que vem que poderá paralisar o país.

Os líderes do Centrão, no entanto, não acreditam que haja risco de paralisação.

Segundo eles, depois que foi aprovado o orçamento impositivo, a tendência é país passar a ser gerido numa espécie de semiparlamentarismo em que os projetos serão votados independentemente da relação entre governo e Congresso.