PUBLICIDADE
Topo

Para confrontar Doria, Bolsonaro sonda médicos de São Paulo para Ministério

Jair Bolsonaro e João Doria em evento de formatura da PM-SP - Marcos Corrêa/PR
Jair Bolsonaro e João Doria em evento de formatura da PM-SP Imagem: Marcos Corrêa/PR
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

15/04/2020 10h31Atualizada em 15/04/2020 17h32

Emissários do presidente Jair Bolsonaro têm sondado médicos dos hospitais Albert Einstein e Sírio-Libanês para a vaga de Luiz Henrique Mandetta no comando do Ministério da Saúde.

Algumas dessas sondagens foram relatadas a membros da equipe do atual ministro. Foi isso o que deu certeza a Mandetta de que Bolsonaro já busca alguém para seu lugar.

Segundo os relatos que chegaram ao Ministério, os emissários de Bolsonaro deixaram claro o objetivo político por trás da sondagem: o presidente gostaria de nomear um médico respeitado em São Paulo e com disposição de confrontar o governador tucano João Doria Junior.

Os hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein também seriam uma boa base de procura porque integram o núcleo da rede de pesquisas sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19.

O confronto direto com João Doria é hoje considerado por Bolsonaro como fundamental para seus planos de tentar a reeleição em 2022.

Bolsonaro não considera Doria um candidato forte, no momento. Mas vê o governador se fortalecendo junto ao empresariado como opção de centro-direita, na medida em que cai a popularidade do governo federal em meio à crise.

Para os articuladores políticos do Planalto, outra opção de candidatura de centro, seria o apresentador Luciano Huck, da TV Globo. Mas ele praticamente desapareceu desde que começou a pandemia.

Um terceiro nome na fila de possíveis adversários de centro é o do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Mas Bolsonaro o vê com menos condições do que Doria de se colocar na disputa.

Assim, a escolha de um médico paulista para o lugar de Mandetta serviria para matar dois coelhos com uma só cajadada: tirar o ministro que incomoda e apontar as baterias contra um forte adversário político.

O problema está sendo encontrar esse nome de peso que aceite a tarefa inglória de substituir um ministro popular e subordinar-se aos humores de um presidente voluntarioso.

Se não conseguir, Bolsonaro tende a ficar com os nomes que já parecem mais dispostos a aceitar, como a imunologista e oncologista Nise Yamaguchi, o médico da Marinha e presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, ou ex-ministro da Cidadania Osmar Terra.