PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

Rogério Marinho diz ignorar ataques de Guedes para avançar nas obras

Bolsonaro cumprimenta Rogério Marinho na cerimônia de posse do ministro do Desenvolvimento Regional - Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro cumprimenta Rogério Marinho na cerimônia de posse do ministro do Desenvolvimento Regional Imagem: Marcos Corrêa/PR
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Chefe da Sucursal de Brasília do UOL

12/08/2020 14h58

O blog perguntou ao ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, como ele pretende lidar com a agressividade do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Marinho respondeu: "Continuando nossas entregas."

Como se sabe, as posições que o ministro do Desenvolvimento Regional tem defendido no governo -e junto ao presidente Jair Bolsonaro- foram o principal alvo de ataques do ministro da Economia, na entrevista coletiva de imprensa que concedeu ontem à noite.

Logo após encontrar-se com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Guedes afirmou que Bolsonaro está recebendo conselhos para driblar o teto de gastos do Orçamento e que isso pode levár ao impeachment do presidente da República.

"Eu vou brigar com ministro fura teto", disse Guedes. E citou explicitamente a fatídica reunião ministerial do dia 22 abril, cujos diálogos em vídeo foram divulgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O ministro sublinhou sua reação imediata contra a proposta de aumento de gastos que Marinho apresentou no encontro:

"Tinha um ministro dizendo que o presidente aumenta a chance de reeleição furando o teto e pulando cerca. E eu estava dizendo exatamente o contrário."

Rogério Marinho tentará evitar bater de frente com Guedes. Sabe que nada tem a ganhar no momento. Seu principal problema é obter recursos para dar continuidade aos projetos da pasta. E esses recursos, de uma forma ou de outra, acabam passando pelo crivo do Ministério da Economia.

O ministro do Desenvolvimento Regional conta, no entanto, que o presidente Bolsonaro fará com que Guedes continue liberando recursos. Afinal Bolsonaro está empolgado com a popularidade que a inauguração de obras e liberação de recursos emergenciais tem lhe proporcionado, mesmo em meio à pandemia do coronavírus.

O problema é que Bolsonaro também não quer que o ministro Paulo Guedes deixe o governo.

Para o Palácio do Planalto, Guedes usou a entrevista coletiva e os pedidos recentes de demissão de secretários da pasta para mandar um recado ao presidente: não terá como permanecer no governo se a política defendida por Rogério Marinho for encampada.

Mas os ministros-generais do Planalto têm aconselhado o presidente a fugir dessa armadilha. Publicamente, Bolsonaro continuará dizendo que Guedes permanece sendo seu "Posto Ipiranga" da economia, mas, na prática, insistirá na liberação de recursos para tentar se blindar da crise do coronavírus.

Até onde essa corda aguenta ser esticada é que não se sabe ainda.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL