PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Toffoli nada tinha a fazer no ato político de Bolsonaro com Musk. Ou tinha?

O ex-presidente do Supremo Dias Toffoli e o presidente da República, Jair Bolsonaro  -  Marcos Corrêa/PR
O ex-presidente do Supremo Dias Toffoli e o presidente da República, Jair Bolsonaro Imagem: Marcos Corrêa/PR
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

20/05/2022 13h12Atualizada em 20/05/2022 13h45

A Constituição garante a todo o cidadão o direito de ir e vir, inclusive ao ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli.

Mas a Constituição também não impede que qualquer cidadão se pergunte: o que Dias Toffoli tinha a fazer num ato da campanha pela reeleição do presidente da República com um megaempresário interessado em explorar negócios na Amazônia?

Pior, Elon Musk está prestes a se tornar o dono do Twitter. Ele defende uma abertura ampla da rede, com risco de torná-la o paraíso das fake news. Não à toa a possível compra do Twitter por Musk foi saudada por Bolsonaro, no evento, como "um sopro de esperança".

Esperança de quê?

Aliás, não é à toa que Bolsonaro tem atacado seguidamente outro ministro do STF, Alexandre de Moraes, que comanda as investigações na justiça sobre a onda de fake news nas redes sociais.

Mas a Constituição também não impede o ministro do STF de ser ingênuo, e não considerar o evento promovido por Bolsonaro como um ato político-eleitoral. Assim como não impede os ministros nem mesmo de desejar participar de atos políticos.

Mas digamos que não é conveniente.

A presença de Toffoli no ato pode injetar na cabeça das pessoas a impressão de que o ministro tenha algum interesse especial em se aproximar de Musk. Ou de Bolsonaro. Ou de ambos.

Afinal, a Constituição não impede ninguém de pensar e o ministro Dias Toffoli é um defensor da Constituição. Livre pensar, é só pensar...