PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Prisão de Milton Ribeiro reacende movimento por CPI do MEC

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

22/06/2022 14h09

A prisão do ex-ministro Milton Ribeiro deve fortalecer a tese de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar sobre irregularidades no Ministério da Educação.

O ex-ministro foi flagrado em áudio afirmando que dava prioridade ao pagamento de obras e serviços pedidos pelos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, segundo ele, indicados pelo próprio presidente da República, Jair Bolsonaro.

A CPI esteve prestes a ser instalada já na época em que estourou o escândalo, mas o Palácio do Planalto conseguiu retirar assinaturas. Agora, segundo o líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), faltam apenas duas assionaturas para completar as 27 necessárias à instalação da comissão.

A prisão dificulta, e muito, o discurso do presidente de que não houve nenhum caso de corrupção em seu governo. Teve sim, vários casos que ainda não transitaram em julgado, como rachadinhas e desvios na pandemia.

É curioso como vem um caso atrás do outro no governo Bolsonaro. Nem acabamos de sair do caso do assassinato do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Silveira. Até agora a Polícia Federal não revelou os mandantes do crime. Aí apareceu a brigalhada do presidente contra a Petrobras por causa do aumento dos preços dos combustíveis. Parecia até uma estratégia para tirar os assassinatos na Amazônia das manchetes.

Mas aí aparece essa prisão do ex-ministro, que certamente não agradou ao presidente da República. Afinal, Bolsonaro disse que punha "a cara no fogo" por Milton Ribeiro.

O problema é que os casos criados pelo presidente para abafar outros casos acabam se juntando aos escândalos descobertos contra ele próprio e seus aliados e fica uma encrenca atrás da outra.

Definitivamente este é um governo que não para de gerar problemas.