PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


UOL Confere

Posts citam morte de Tarcísio Meira para distorcer eficácia de vacinas

12.ago.2021 - Post usa notícia da morte do ator Tarcísio Meira para alegar que vacinas não são eficazes contra a covid-19 - Arte sobre Reprodução/Facebook
12.ago.2021 - Post usa notícia da morte do ator Tarcísio Meira para alegar que vacinas não são eficazes contra a covid-19 Imagem: Arte sobre Reprodução/Facebook

Bernardo Barbosa e Juliana Arreguy*

Do UOL, em São Paulo

12/08/2021 19h33

Circulam em redes sociais desde a manhã de hoje (12) postagens enganosas associando a morte do ator Tarcísio Meira à suposta ineficácia de vacinas contra a covid-19, em especial a Coronavac, feita pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac.

Tarcísio morreu em decorrência da covid-19 mesmo após ter tomado duas doses de vacina contra a doença. O Hospital Albert Einstein, onde ele estava internado desde o dia 6 de agosto, declarou em nota não fornecer detalhes sobre a vacinação em respeito ao sigilo do paciente.

Uma reportagem publicada hoje por VivaBem, o canal de saúde e bem-estar do UOL, explica que mortes por covid-19 após a vacinação são raras. Segundo dados da USP (Universidade de São Paulo) e da Unesp (Universidade Estadual Paulista), pessoas completamente imunizadas representam apenas 3,68% das mortes por covid-19, mas que este percentual pode chegar a 8,8% entre maiores de 70 anos — caso de Tarcísio, 85 anos.

Casos como este não têm relação com a marca do imunizante que a pessoa recebeu e não significam que as vacinas não funcionam. Idade, comorbidades e condições médicas específicas podem agravar os quadros da doença mesmo após a imunização completa. Entre os idosos, por exemplo, é comum que o sistema imunológico sofra um declínio natural de suas funções com o avançar dos anos.

Apesar de todas essas informações, o UOL Confere identificou uma série de posts com centenas de interações (curtidas e compartilhamentos) no Twitter, Facebook e Instagram colocando em dúvida, de forma geral, a eficácia das vacinas contra covid-19 por causa da morte de Tarcísio Meira.

Ataques sem contexto à Coronavac

Alguns usuários de redes sociais também lembraram o anúncio feito em janeiro pelo Instituto Butantan de que a Coronavac tinha 100% de eficácia contra casos graves da covid-19, sem dar o significado completo do dado.

Este percentual foi determinado a partir de um estudo feito com cerca de 13 mil profissionais de saúde. Metade do grupo tomou a Coronavac. Dentro do grupo vacinado, 85 foram infectados pelo coronavírus, e nenhum deles teve uma forma grave da covid-19; daí o percentual anunciado de 100% de eficácia contra casos graves.

Existem outros estudos mais recentes sobre a Coronavac, com resultados variados. Em maio, um estudo preliminar — ou seja, ainda não havia sido revisado por pares — mostrou que a eficácia da Coronavac cai conforme a idade. À BBC Brasil, o Butantan questionou a metodologia do estudo, afirmando que ele foi feito de forma precoce, antes de a vacinação ter avançado entre um número maior de idosos.

Uma outra pesquisa, divulgada em junho, apontou que a Coronavac era a vacina que mais evitava mortes de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Em julho, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) divulgou nota técnica mostrando a efetividade da Coronavac para a redução de casos de internação e morte por covid-19 entre idosos. Após as duas doses, os índices de efetividade foram de 79,6% de 60 a 79 anos, e 68,8% acima dos 80 anos.

Também no mês passado, um outro estudo ainda não revisado por pares apontou que a Coronavac estava associada a uma redução de internações e mortes por covid-19 entre pessoas com mais de 70 anos.

*Colaborou Leonardo Martins, do UOL em São Paulo

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

UOL Confere