Maduro não 'debochou' de urnas eleitorais usadas no Brasil

É falso que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tenha debochado das urnas eletrônicas brasileiras, como afirmam postagens que circulam nas redes sociais.

Na verdade, ele apresentou o sistema eletrônico de votação do referendo de anexação de parte da Guiana e destacou que é emitido um comprovante após o voto. Não há "clara referência ao Brasil", como afirmam os posts.

O que diz o post

Um vídeo é acompanhado por dois textos sobrepostos às imagens: "Maduro está pronto para invadir a Guiana [emoji de assustado]" e "Ele ainda debochou do sistema eleitor@l brasileiro". As duas frases são acompanhadas de emojis - a primeira com uma cara de assustado e a outra apresenta uma cara de espanto e a bandeira do Brasil.

O narrador do vídeo diz que Maduro debochou das urnas usadas no Brasil. "O ditador venezuelano participou do referendo que autoriza a invasão militar no território da Guiana. Nesse domingo, 3 de dezembro, Maduro fez um vídeo explicando como deve ser feita a votação. O ditador comunista ainda debochou das urnas brasileiras, alegando que na Venezuela o voto é impresso, diferente de certos países da América do Sul, em clara referência ao Brasil".

O vídeo mostra Maduro ensinando os eleitores a votarem "sim", com ele aparentemente falando mal das urnas eletrônicas de "certos países", como diz o narrador do vídeo. Na legenda do vídeo (já traduzida para o português) consta que Maduro falou: "O voto será gerado corretamente. Mais cômodo e mais seguro, impossível. Já votei cinco vezes sim. E agora estou com certificado, não é que ele é na máquina de votação automática de certos países vizinhos, que não há comprovante de votação, que depois não tem como calcular a quantidade".

Porém, no áudio, Maduro diz de maneira diferente (veja o destaque a seguir): "O voto será gerado corretamente. Mais cômodo e mais seguro, impossível. Já votei cinco vezes sim. E agora estou com certificado, não é como na máquina de voto automático como em outros países, que não dão um certificado, que depois não tem como calcular a quantidade."

Por que é falso

Maduro não "debochou" de urnas no Brasil. Ele apenas ressaltou que, após o eleitor votar na urna, é emitido um comprovante em papel que deve ser depositado, em seguida, em outra urna, para ser contado e verificado ao final da votação. Não há "clara referência ao Brasil", como dizem as postagens.

Legenda do vídeo é diferente do que, de fato, Maduro disse. O presidente da Venezuela não falou "certos países vizinhos" como aponta a legenda ou "certos países da América do Sul", como diz o narrador. Na verdade, Maduro falou "como outros países" (aqui): Veja:

Continua após a publicidade

Viralização. Uma publicação com a mentira no Instagram, compartilhada no último dia 4, registra mais de 2 mil curtidas e cerca de 200 comentários.

Entenda o referendo

O referendo para a anexação de cerca de 70% do território da Guiana foi anunciado em 10 de novembro por Maduro. A região de Essequibo tem 160 mil km².

O referendo tinha cinco perguntas, nas quais os eleitores devem responder "sim" ou "não". Entre elas, se os cidadãos são favoráveis à incorporação do território — que passaria a ser chamado de Guiana Essequibo.

Outra questão era se o país poderia conceder nacionalidade venezuelana aos cidadãos da região disputada. As perguntas do plebiscito foram aprovadas pelo CNE (Conselho Nacional Eleitoral) da Venezuela em outubro.

Continua após a publicidade

O conteúdo também foi checado pela Lupa (aqui).

Sugestões de checagens podem ser enviadas para o WhatsApp (11) 97684-6049 ou para o email uolconfere@uol.com.br.

Fabíola Cidral conta como reconhecer logo de cara uma fake news

Siga UOL Notícias no
UOL Confere

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes