Postagens divulgam cálculo errado do IR para faixa de dois salários mínimos

Postagens que têm viralizado nas redes sociais utilizam uma alíquota errada para calcular o valor a ser pago de imposto de renda das pessoas que recebem até dois salários mínimos.

Ao contrário do que sugerem as publicações, atualmente a alíquota cobrada é de 7,5%, e não de 15%. As publicações enganosas também não consideram as parcelas a deduzir em cada faixa. Além disso, o governo já prometeu reajustar a tabela do IR este ano para isentar quem ganha até dois salários mínimos, como no ano passado.

O que diz o post

Compartilhado em plataformas como o Instagram, a imagem mostra um texto com a seguinte mensagem: "Novo salário mínimo R$ 1.412,00. Dois salários mínimos R$ 2.824,00. Menos imposto de renda 15% R$ 2.400,40. Novo salário mínimo para pessoas que recebem dois salários R$ 1.200,20. PARABÉNS AOS ENVOLVIDOS".

Na legenda, é feita uma crítica indireta a Lula (PT): "Completa a frase: É só fazer o...", uma referência à expressão "fazer o L" de apoiadores do presidente.

Por que é falso

Quem recebe dois salários mínimos (R$ 2.824,00) está dentro da alíquota de tributação de 7,5%, e não na faixa de 15%, como afirmam as postagens enganosas. As porcentagens dedutivas e seus respectivos valores constam na tabela do imposto de renda publicada pelo governo federal no Diário Oficial da União em agosto de 2023 (veja aqui ou na imagem abaixo).

Tabela do IR publicada pelo governo
Tabela do IR publicada pelo governo Imagem: Reprodução

Posts usam fórmula incorreta para calcular o tributo e o "novo salário mínimo" não seria de "R$ 1.200,20". Na realidade, ao aplicar a alíquota correta a ser cobrada nessa taxa, o contribuinte que recebe até R$ 2.824,00 vai pagar entre R$ 13,80 e R$ 53,40 de tributo, a depender da opção de dedução, e não R$ 423,60, como alegam as postagens.

Cobrança é motivada porque o governo federal ainda não reajustou a tabela de isenção do imposto de renda neste ano. A observação é do presidente da Unafisco (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil), Mauro Silva. Ele explicou ao UOL Confere que a atual tabela está defasada e precisa ser revista. Se não houver reajuste, a Unafisco calcula que mais de dois milhões de pessoas que recebem até duas vezes o mínimo vão pagar essa taxa de IR porque seus rendimentos ultrapassam a atual faixa de isenção.

Continua após a publicidade

A tabela do imposto de renda deve ser reajustada todos os anos, senão os trabalhadores vão pagar mais impostos que o devido.
Mauro Silva, presidente da Unafisco ao UOL Confere

Em 2023, o presidente Lula aumentou a taxa de isenção do tributo e deixou de pagar IR quem recebia até R$ 2.640,00. Para 2024, o governo reajustou o valor do salário mínimo, mas ainda não a tabela do IR. Em postagem nas redes sociais em 23 de janeiro deste ano, o petista voltou a garantir isenção para quem recebe até R$ 2.824,00. "As pessoas que ganham até dois salários mínimos não vão pagar Imposto de Renda. Nós vamos fazer o que prometemos", escreveu o Lula em seu perfil no X (aqui).

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também garantiu a correção da tabela para evitar que quem ganha até dois salários pague IR. Em conversa com jornalistas no dia 23 de janeiro de 2024 (veja aqui), o ministro disse que a pasta iria publicar até o final de janeiro a nova tabela, mas isso não aconteceu. O UOL Confere entrou em contato com a Fazenda, mas até a publicação desta matéria não obteve retorno.

Viralização. Estas postagens continham, nesta segunda-feira (5), mais de 80 mil curtidas no Instagram.

Continua após a publicidade

Este conteúdo também foi checado pelas agências AFP (aqui) e Aos Fatos (aqui).

Sugestões de checagens podem ser enviadas para o WhatsApp (11) 97684-6049 ou para o email uolconfere@uol.com.br.

5 dicas para você não cair em fake news

Siga UOL Notícias no
UOL Confere

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes