Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

"Não dei a ordem de entrada da PM no Carandiru, mas teria dado", diz Fleury em júri

Luiz Antonio Fleury Filho, que era governador de São Paulo, quando ocorreu o massacre dos 111 detentos do Carandiru - Mastrangelo Reino/Folhapress
Luiz Antonio Fleury Filho, que era governador de São Paulo, quando ocorreu o massacre dos 111 detentos do Carandiru Imagem: Mastrangelo Reino/Folhapress

Janaina Garcia

Do UOL,em São Paulo

30/07/2013 12h04

O ex-governador Luiz Antonio Fleury Filho voltou a defender em juízo a entrada da Polícia Militar no presídio do Carandiru, em outubro de 1992, durante depoimento prestado nesta terça-feira (30) no júri de PMs acusados de participar de um massacre de presos da unidade. Desde ontem, são julgados 26 policiais que respondem pela morte de 73 detentos que estavam no terceiro pavimento do pavilhão 9 do presídio.

Testemunha de defesa, Fleury afirmou ter ido "dormir com a notícia de 60 presos mortos" na noite de 2 de outubro de 1992, véspera de eleições municipais e data do massacre. Ele já havia sido ouvido no júri de PMs do caso realizado em abril passado.

"Não dei a ordem [de entrada da PM], mas, se estivesse no meu gabinete, com as informações que eu recebi, teria dado a ordem", declarou.

O ex-governador afirmou ter tido informações de seu então secretário de segurança pública, Pedro Franco de Campos, sobre uma suposta rebelião com presos mortos e focos de incêndio no pavilhão 9. De acordo com ele, as informações iniciais eram que ao menos nove detentos teriam morrido na suposta rebelião.

"Não há dúvida alguma de que era necessária e se fazia necessária a entrada da PM naquelas circunstâncias, foi legítima e necessária", afirmou.

Indagado sobre sua responsabilidade política pelo massacre por parte da advogada dos réus, Ieda Ribeiro de Souza, disse: "Minha polícia não se omitia. Naquela época não tinha presos jogando futebol com cabeça de outro preso [durante rebelião em presídio] e policial assistindo; seria uma omissão criminosa. Então, a responsabilidade politica é minha", concluiu.

Entenda o massacre do Carandiru
Veja Álbum de fotos

"No presídio não tem só santinho", diz ex-secretário

Antes, o secretário de Segurança Pública do Estado à época do massacre do Carandiru, Pedro Franco de Campos, disse que não há "santinho" em presídios.

Indagado pelo promotor Fernando Pereira da Silva sobre notícia de arma de fogo apreendida em presídio "no Carandiru, segundo a defesa, foram 13 apreensões --, Campos afirmou: "A maior lição que a gente tira é da vida, e o jornal mostra isso para a gente de vez em quando. Lá [nos presídios] não tem só santinho, a gente sabe disso".

Por outro lado Campos, também procurador de Justiça, alegou nunca ter tido "notícia de apreensão de arma de fogo" em presídios do Estado enquanto chefiou a secretaria, de março de 1991 a outubro de 1992.

O ex-secretário afirmou logo no início do depoimento que reiteraria outros depoimentos como o prestado em abril, no júri em que 23 PMs foram condenados a 156 anos pela morte de 13 presos do segundo pavimento.

Mais Cotidiano