"Apoiamos o Nem": PCC confirma aliança pelo domínio do tráfico de drogas na maior favela do Rio

Luís Adorno e Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

  • Stringer/Reuters

    Nem da Rocinha está detido no presídio federal de Porto Velho (RO)

    Nem da Rocinha está detido no presídio federal de Porto Velho (RO)

Um diálogo telefônico entre membros do PCC (Primeiro Comando da Capital) gravado em 2017 comprova que a facção paulista firmou uma aliança com o traficante Antônio Bonfim Lopes, mais conhecido como Nem da Rocinha, na disputa pelo domínio do tráfico de drogas na maior favela do Rio de Janeiro.

A informação consta na denúncia da Operação Echelon, do MP-SP (Ministério Público de São Paulo), que acusou 75 pessoas pelo crime de organização criminosa por integrarem o PCC. A denúncia de 569 páginas é assinada pelo promotor de Justiça Lincoln Gakyia, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Às 12h12 de 15 de setembro do ano passado, o membro do PCC Noaby Vinícius Silva Sousa, conhecido como Terrorista, usou um celular em sua cela na prisão de Morrinhos (GO), para falar com sua mulher, a acusada Flávia Magalhães Monteiro.

Durante a conversa, Terrorista lê uma carta em que estão escritos os dizeres "Fora Rogerinho", "Fora Sub 2", em referência ao traficante Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, ex-guarda-costas de Nem da Rocinha. Ele assumiu o controle do tráfico na favela, após a prisão do ex-patrão, em 10 de novembro de 2011. Nem atualmente está detido no presídio federal de Porto Velho (RO).

"Hoje mais troca de tiro dentro da Rocinha e o... amigo ajudando o Nem. Esse Nem está com nóis [sic] né? Apoiamos o Nem", afirma Terrorista, de acordo com transcrição contida na denúncia do MP paulista.

Leia Mais:

Terrorista faz parte da cúpula da "Sintonia Geral do Interior do Estado de Goiás". Cada comando específico do PCC é chamado de sintonia - ou seja, ele é um dos líderes goianos da facção. Com a função de "cadastreiro", ele é responsável pelo cadastramento de novos membros da facção no sistema prisional de Goiás. Já Flávia agiria como uma espécie de "pombo-correio", afirma o MP-SP.

Marcelo Sayo/EFE
Nem da Rocinha foi preso ao tentar fugir da favela em novembro de 2011
"Foram interceptadas várias mensagens de texto (SMS), onde o casal denunciado (Flávia e Noaby) comenta acerca do quadro de confrontos entre traficantes na cidade do Rio de Janeiro, e que facções estão em guerra pelo comando da Rocinha, mais precisamente entre o Traficante 'Nem' e 'Rogério 157', e que fica claro o incondicional apoio a Nem por parte das facções PCC, ADA, TCA e Gerais de vários Estados sob a coordenação do PCC", afirma o promotor Lincoln Gakyia em sua denúncia.

Entenda a guerra pela Rocinha

Desde o segundo semestre de 2017 se intensificaram os confrontos armados entre traficantes na Rocinha. Localizada entre os bairros de Gávea e São Conrado, na zona sul do Rio, a comunidade tem 95 hectares de extensão e possui 100 mil habitantes, de acordo com o Censo das Favelas, realizado pelo governo estadual. Sua posição geográfica é considerada estratégica pelos traficantes devido à proximidade com uma "clientela" de alto poder aquisitivo.

Ao romper com Nem, um dos líderes da facção ADA (Amigos dos Aliados), Rogério 157, se aliou ao CV (Comando Vermelho). Essa facção carioca é a principal adversária do PCC pelo controle das rotas e pontos de vendas de drogas e da massa carcerária em todo o país. 

Uma das conclusões da Operação Echelon é a de que o PCC decidiu intensificar o envio de armas para seus membros e aliados em todos os estados para aumentar o número de mortes de rivais.

José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
Confrontos entre traficantes e com forças de segurança se tornaram rotina na Rocinha
Doze dias depois da conversa telefônica entre membros do PCC sobre a situação da Rocinha, o UOL revelou que Rogério 157 havia confirmado, por meio de um áudio, o rompimento com Nem.

"[Nem] Mandou dar tiro na gente. Então não é mais nosso amigo. Não é mais nosso patrão. Papo é reto. Quem fala agora é o Paizão [apresentando-se como novo chefe]", afirmou Rogério, em áudio obtido por policiais fluminenses.

De acordo com documentos já divulgados pelas forças de segurança do Rio de Janeiro, Nem estabeleceu um acordo com a facção TCP (Terceiro Comando Puro) para criar um novo grupo criminoso: o TCA (Terceiro Comando dos Amigos).

A facção se juntou ao PCC com o objetivo de tomar a Rocinha das mãos do grupo de Rogério 157. A partir dessa aliança, membros da nova facção passaram a ser identificados nos presídios do Rio de Janeiro como TCA-1533 (os números são referências ao PCC).

Mesmo preso, Nem chegou a investir cerca de R$ 7 milhões na compra de armamento para seus comparsas, apontam investigações da Polícia Civil.

Divulgação
Rogério 157 foi preso durante operação da Polícia Civil, em dezembro
Rogério 157 foi preso em uma operação da Polícia Civil do Rio, realizada em 6 de dezembro de 2017. No mesmo dia foram ouvidos disparos na Rocinha atribuídos ao bando de Nem. Era uma comemoração pela prisão do adversário, afirmou o então secretário da Segurança Pública, Roberto Sá.

Em entrevista ao jornal El País, publicada em fevereiro, Nem negou que tenha feito aliança com o PCC.

"Dizem que fui batizado pelo PCC. Como? Onde? Fico 22 horas dentro da cela. Até minhas conversas com meu advogado são gravadas em vídeo. Como é que eu posso ter sido batizado?", afirmou.

A reportagem não conseguiu localizar os advogados de Noaby Vinícius Silva Sousa e sua mulher Flávia Magalhães Monteiro, denunciados pelo MP paulista como integrantes do PCC.

Dados de inteligência da intervenção federal no Rio, responsável pela segurança pública do estado, informam que o Comando Vermelho continua no domínio do tráfico de drogas na Rocinha, com o grupo de Nem tentando retomar o controle por meio de confrontos armados. 

Os tiroteios na Rocinha entre grupos de traficantes em disputa e entre esses criminosos e membros da força de segurança chegaram ao ápice no final de março, quando 12 pessoas morreram em um intervalo de oito dias.

Em 9 de junho, uma operação conjunta das Forças Armadas e das polícias Federal, Militar e Civil resultou na prisão de 16 pessoas suspeitas de associação com tráfico na Rocinha e em outras três favelas da zona sul do Rio de Janeiro.

Operação Echelon começou com cartas resgatadas no esgoto

A SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) de São Paulo enviou nota explicando como começou a investigação que resultou na Operação Echelon. Leia abaixo.

"Informamos que a Secretaria da Administração Penitenciária combate diuturnamente o crime organizado em parceria com a inteligência das Policias e com o Ministério Público. Sobre a operação, a Pasta esclarece que a Operação Echelon teve início no ano passado, em um esforço conjunto entre a inteligência da SAP, SSP e Ministério Público/Gaeco. Após a operação Ethos, em 2016, com a prisão de advogados e um representante da área de direitos humanos, as principais lideranças foram isoladas no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). Porém, em abril de 2017, a inteligência da SAP verificou que um outro grupo de presos estava enviando, por meio de visitantes e advogados, 'salves'. Os agentes não conseguiam ter acesso às mensagens porque estas eram destruídas antes das revistas dentro dos pavilhões. Porém, a SAP instalou telas nos nos canos de esgoto, conseguindo assim resgatar os bilhetes rasgados. Houve um trabalho árduo dos serviços de inteligência da SAP para higienizar, recompor e comparar as cores das tintas e as caligrafias, conseguindo-se assim determinar a autoria das mensagens e chegado aos sete presos que teriam assumido a liderança após o isolamento dos líderes com a operação ETHOS.

O material foi encaminado ao Deinter 8, de Presidente Prudente, em junho/2017 e deu início às investigações que culminaram com a operação ECHELON no dia 14/06/2018. Os setes presos foram  transferidos no mesmo dia da operação Echelon para o RDD, pois  o secretário da Administração Penitenciária conseguiu que o Judiciário Paulista expedisse a ordem para transferência previamente.

Foram cumpridos 75 mandados de busca e apreensão  em 14 estados brasileiros. Foram realizadas 63 prisões, sendo que 51 já estavam presos. Porém, estes estavam todos em prisão processual, ou seja, poderiam sair a qualquer momento e agora continuarão presos preventivamente, acusados inicialmente de associação criminosa. Em São Paulo, 36 foram presos sendo 20 dentro das prisões. Foi solicitado ao Poder Judiciário a internação de alguns deles no RDD e  de outros (envolvidos em mortes de agentes públicos e/ou atentados à ordem nos presídios) em presídios federais. A investigação ainda em curso já descobriu dezenas de outros crimes cometidos por eles, o que pode gerar outras condenações posteriormente."

Em junho, militares foram recebidos a tiros na Rocinha

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos