Topo

Operação prende 54 PMs de SP suspeitos de envolvimento com PCC

Folhapress
Imagem: Folhapress

Luís Adorno e Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

18/12/2018 07h55Atualizada em 19/12/2018 09h03

Uma operação deflagrada na manhã desta terça-feira (18) deteve 54 policiais militares de São Paulo suspeitos de colaborar com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Segundo a Corregedoria da corporação, foi o maior número de PMs presos de uma vez na história.

Além dos policiais, três civis, suspeitos de integrarem o PCC, também foram presos na operação. Outros dois suspeitos estão foragidos. Durante a operação, um outro civil foi detido em flagrante, sob suspeita de colaborar com o tráfico de drogas.

Todos os policiais alvos dos mandados de prisão atuam no 22º Batalhão da PM, que fica no Jardim Marajoara, na zona sul paulistana, a cerca de 15 quilômetros do centro da capital paulista. Os nomes dos suspeitos não foram revelados.

Segundo as investigações, os suspeitos estariam envolvidos em um esquema de corrupção e de ligação com o tráfico de drogas apurado pela Corregedoria da PM paulista desde fevereiro.

A ação desta terça-feira é comandada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), ligado ao MP, e pela própria Corregedoria.

Os 54 mandados contra os PMs são de prisão preventiva (sem prazo) e foram autorizados pela Justiça Militar de São Paulo. Os presos foram encaminhados para o presídio militar Romão Gomes, na zona norte da capital paulista.

Já os cinco mandados contra suspeitos de pertenceram ao PCC são de prisão preventiva (sem prazo) e foram autorizados pelas Justiça comum.

A PM diz que as investigações apontam para os "crimes de corrupção passiva, concussão, associação ao tráfico de drogas, integrar organização criminosa, além de outros ilícitos penais militares e comuns".

Ao todo, foram cumpridos durante o dia 86 mandados de busca e apreensão (70 expedidos pela Justiça Militar e 16 expedidos pela Justiça comum). A operação foi desencadeada em 19 municípios em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Segundo a PM, a operação envolveu 450 policiais militares (280 policiais corregedores e 170 policiais do 2º Batalhão de Polícia de Choque), promotores de Justiça e agentes do MP lotados no Gaeco.

O nome da operação é Ubirajara. Em nota, a PM diz que a "operação recebeu este nome por conta de ter se iniciado no bairro Ubirajara, na zona sul".

No texto, "a Polícia Militar reafirma não compactuar com ações praticadas por seus integrantes ou quaisquer outros atos que atentem contra a disciplina e os valores e deveres militares, sendo implacável na apuração para apresentar as provas ao poder judiciário e para retirar da Instituição os indignos de ostentar a sagrada bandeira do Estado de São Paulo em seu uniforme".

Nomeado secretário da Segurança Pública a partir do ano que vem, o general do Exército João Camilo Pires de Campos, 64, afirmou ao UOL estar acompanhando a operação desde a manhã desta terça-feira "como espectador", mas disse apoiar operações do tipo. "Tem que cortar na carne", relatou à reportagem. 

Procurado, o futuro governador, João Doria (PSDB), afirmou por meio de sua assessoria de imprensa que, por não ter tomado posse, não cabia a ele se pronunciar sobre o assunto. A SSP (Secretaria da Segurança Pública), sob gestão do governador Márcio França (PSB), apenas confirmou as informações da PM.

Mais Segurança pública