PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Após tragédia em Suzano, SP quer rever segurança de escolas estaduais

O ataque a tiros na escola estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira (13) chocou o Brasil e o mundo - EPA/SEBASTIAO MOREIRA
O ataque a tiros na escola estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira (13) chocou o Brasil e o mundo Imagem: EPA/SEBASTIAO MOREIRA

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

13/03/2019 21h04

Em comunicado divulgado na noite de hoje, a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (SEESP) afirmou que vai revisar os procedimentos relacionados à segurança nas escolas da rede. Hoje, há mais de 5.000 escolas estaduais de ensinos fundamental e médio no estado.

A decisão se segue ao massacre em uma escola estadual em Suzano, na Grande São Paulo. Dois ex-alunos mataram oito pessoas nesta manhã: cinco alunos, dois funcionários e um comerciante das redondezas.

Depois do episódio, a SEESP informou que está estudando um projeto para reforçar a segurança em instituições de ensino consideradas "mais vulneráveis".

Segundo a secretaria, as aulas estão suspensas em todas as escolas estaduais e municipais de Suzano nesta semana.

Na sexta-feira (15), professores da escola Raul Brasil, palco do massacre, devem fazer uma reunião para discutir propostas e ideias pedagógicas para acolher os alunos.

O suporte pedagógico e emocional será feito pela própria secretaria em parceria com especialistas do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, Unicamp e da Prefeitura Municipal de Suzano.

Imagens mostram sequência de acontecimentos em Suzano

UOL Notícias

Na próxima segunda (18), a escola deverá receber apenas professores e funcionários para consolidar as ações de acolhimento. Na terça (19), a comunidade escolar, incluindo familiares e alunos, será instruída a participar dos projetos pedagógicos. De acordo com a nota da secretaria, "serão atividades livres, oficinais, apoio psicológico, rodas de conversa, depoimentos e compartilhamento de boas práticas, entre outras atividades."

A pasta também informou que toda a estrutura interna da escola será reformada, com "apoio da comunidade descolar".

No momento, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), além dos secretários de Educação, Segurança Pública, Saúde e os dirigentes das polícias Militar, Civil e Técnico-Científica acompanham o atendimento aos feridos no local. O governo anunciou luto oficial de três dias no Estado por conta do atentado na escola.

Cotidiano