PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Suzano: "País e governo pranteiam esse terrível incidente", diz Moro

4.fev.2019 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro - Mateus Bonomi/Estadão Conteúdo
4.fev.2019 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro Imagem: Mateus Bonomi/Estadão Conteúdo

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

13/03/2019 19h39

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse lamentar o massacre ocorrido na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), na manhã de hoje. "Todo o país e o governo pranteiam esse terrível incidente assim como todos os brasileiros", disse Moro na abertura de uma palestra em uma faculdade de Brasília.

"Esperamos que esses episódios não se repitam e transmitimos nossa solidariedade a todos os familiares das vítimas, aos alunos, funcionários e mestres", afirmou Moro.

Moro afirmou que o governo federal se colocou à disposição da SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) para "reparar os danos" causados pela tragédia.

"Entramos em contato com o governo de São Paulo colocando à disposição tudo o que o ministério pudesse oferecer para ajudar a reparar os danos. Infelizmente, um incidente dessa espécie gera esse tipo de reação e não há muito a fazer após senão lamentar e buscar consolar as famílias", afirmou.

Vítimas

Os corpos de oito vítimas do massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) da cidade no início desta noite.

Dois deles já foram liberados aos familiares para que seja feito o velório, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP). O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuci, havia dito que a cidade organizaria um velório coletivo, mas ainda não se sabe se as famílias vão aceitar a proposta.

Os corpos dos atiradores que também morreram no local, identificados como Guilherme Taucci Monteiro, 17, e Luiz Henrique de Castro, 25, foram levados ao IML de Mogi das Cruzes, cidade vizinha.

No massacre desta manhã, morreram cinco alunos da escola, dois funcionários e um comerciante, dono de uma locadora que fica próxima à escola.

Outras 11 pessoas ficaram feridas.

Cotidiano