Topo

SP: letalidade policial sobe 8% no 1º trimestre; mortes em latrocínio caem

Denny Cesare/Codigo19/Folhapress
Imagem: Denny Cesare/Codigo19/Folhapress

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo

2019-04-25T17:41:46

25/04/2019 17h41

O número de pessoas mortas pelas polícias Civil e Militar no Estado de São Paulo aumentou em 8% entre janeiro e março de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado. Este é o primeiro trimestre sob gestão do governador João Doria (PSDB).

Divulgados hoje pela SSP (Secretaria da Segurança Pública), os dados levam em conta indivíduos mortos por policiais civis e militares em folga e em serviço.

Nos primeiros três meses de 2018, quando Geraldo Alckmin (PSDB) era governador do estado, foram 197 pessoas mortas pelas polícias no estado. Neste primeiro trimestre de 2019, policiais paulistas mataram 213 pessoas, representando um aumento de 8% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Alckmin deixou o governo em abril de 2018 para se candidatar à Presidência. Seu vice à época, Márcio França (PSB), assumiu o mandato até o final do ano.

Policiais militares, em serviço ou de folga, mataram 207 pessoas na somatória de janeiro, fevereiro e março deste ano. Já pelos policiais civis, também em serviço ou de folga, foram mortas seis pessoas neste trimestre.

Os números de letalidade de cada um dos meses de 2019 não foram divulgados. Por lei estadual, este índice é revelado apenas por trimestre.

A segurança pública sempre foi um tema presente nas campanhas para o pleito estadual. Em 2018, continuou sendo frequentemente abordado em discursos e propostas pelos candidatos, tanto na corrida estadual quanto para a federal, principalmente, pelos vencedores João Doria e Jair Bolsonaro (PSL).

Ainda em campanha, em setembro passado, Doria disse em entrevista à Rádio Bandeirantes que, a partir deste ano, caso fosse eleito, "se fizer enfrentamento com a polícia e atirar, a polícia atira. E atira para matar". Após a fala, o comandante-geral da PM disse ao UOL que a PM deve proteger vidas.

Vítimas de latrocínio caem 70%

Apesar do aumento na letalidade policial, o primeiro trimestre de 2019 registrou uma queda significativa no número de vítimas de latrocínio (roubo seguido de morte) no estado de São Paulo, ainda segundo as estatísticas da SSP.

Entre janeiro e março de 2019, foram 40 vítimas de latrocínio, um número 70% menor em comparação ao mesmo período de 2018, quando 68 pessoas foram mortas depois de um roubo.

Homicídios voltam a crescer

Após uma queda no mês de fevereiro deste ano, o número de vítimas de homicídio teve um novo aumento no mês de março: 254 pessoas foram vítimas de homicídio no estado de São Paulo, número 15% maior do que o mês anterior (219 vítimas).

O número, no entanto, ainda é menor do que registrado em janeiro de 2019, que teve 284 mortes. Apenas o mês de dezembro de 2018, com 289 vítimas de homicídio, foi maior do que o registrado no primeiro mês deste ano.

SSP afirma trabalhar para reduzir letalidade

Em nota, a SSP afirmou que defende "investigação rigorosa" de todas as ocorrências e que a pasta tem trabalhado para reduzir os casos de morte em decorrência de intervenção policial.

"A fim de garantir maior eficácia nas investigações de mortes em decorrência de intervenção policial, a SSP editou a Resolução SSP 40/2015, que determina o comparecimento das Corregedorias e dos Comandantes da região, além de equipe específica do IML e IC nesses casos", apontou a pasta.

A SSP também afirma que desenvolve ações para combater os homicídios. "Apesar da variação no número de casos e vítimas de homicídios em março, influenciada principalmente pelo número de conflitos pessoais, que representam cerca de 40% do total de casos, a capital paulista segue com a menor taxa de homicídios do país: 5,7 casos por 100 mil habitantes", declarou.

Mais Segurança pública