Topo

'Foi uma agressão covarde', diz delegado sobre jovem torturado com chicote

Jovem chicoteado por seguranças de supermercado mostra as costas após sofrer agressões - 03.set.2019 - Reprodução/TV Globo
Jovem chicoteado por seguranças de supermercado mostra as costas após sofrer agressões Imagem: 03.set.2019 - Reprodução/TV Globo

Alex Tajra e Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

03/09/2019 16h05

O delegado Pedro Luis de Sousa, do 80º DP (Distrito Policial), na Vila Joaniza, zona sul da capital, foi o responsável por instaurar um inquérito que investiga as agressões sofridas por um jovem, negro, de 17 anos, que aparece em uma gravação sendo chicoteado nu.

A vítima afirma que os agressores eram seguranças de um supermercado e que decidiram "castigá-lo" porque ele havia tentado furtar quatro barras de chocolate. O garoto, que não tem celular nem residência fixa, trabalha como catador de recicláveis.

Em entrevista ao UOL, o delegado afirmou que ficou comovido com o relato da vítima e ao ver as imagens apresentadas. "Como pode uma pessoa fazer isso com outra? Eu não consigo imaginar. Fiquei dez anos no DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa) e não tinha visto algo assim tão triste", afirmou.

"Toda aquela situação é deprimente. Foi uma agressão covarde, que me causou asco, me causou muita repulsa", complementou o delegado. Responsáveis pelo supermercado são ouvidos na tarde de hoje no DP. A polícia quer localizar os dois torturadores para pedir a prisão. O delegado também quer fazer diligências para encontrar o chicote utilizado para agredir o jovem.

Segundo o advogado Ariel de Castro Alves, conselheiro do Condepe (Conselho Estadual de Direitos Humanos), que está acompanhando as investigações, o jovem passou por exame de corpo de delito na manhã de hoje. A vítima relatou ao advogado que os agressores o ameaçaram caso ele fizesse a denúncia.

"Contatei o Conselho Tutelar da Cidade Ademar para que acompanhem o caso e deem apoio através de encaminhamentos sociais ao adolescente. Encaminhei o boletim de ocorrência com o endereço para os conselheiros realizarem uma visita onde ele está morando e verifiquem se ele está recebendo alguma ameaça. O conselho também vai verificar a necessidade de assistência psicológica ao jovem", disse Alves.

Em entrevista à TV Globo, o jovem afirmou: "Fui pegar o chocolate, aí eles me pegaram, me levaram ali no quartinho, me deram uma 'pá' de chicotada. Aí ele falou que, se eu falar para alguém, ele ainda vai me matar". E complementou: "Quero justiça contra isso. Eles fizeram maldade. Quero pôr eles dentro das grades".

O caso ocorreu há um mês dentro de uma unidade do supermercado Ricoy. O supermercado disse já ter afastado os seguranças, que prestavam serviço por meio de uma empresa terceirizada —segundo as investigações, um dos seguranças seria um ex-policial militar.

"Juntos [os seguranças] levaram a vítima até um quarto nos fundos da loja. Ali, a vítima foi despida, amordaçada, amarrada e passou a ser torturada com um chicote de fios elétricos trançados. Ali, permaneceu por cerca de 40 minutos, sendo agredido o tempo todo", apontou o boletim de ocorrência.

Os seguranças gravaram em vídeo as agressões. O UOL teve acesso à filmagem e confirmou sua veracidade com o delegado Sousa. No vídeo, o jovem aparece quase inteiramente nu, com as calças abaixadas na altura do joelho, enquanto é agredido com uma espécie de chicote por um homem. No local onde o jovem está sendo agredido, é possível notar caixas lacradas e caixotes de plástico com frutas, no que aparenta ser um depósito.

Mais Segurança pública