PUBLICIDADE
Topo

SP: Três suspeitos morrem em confronto com Rota após atacarem PM

Armas apreendidas durante ocorrência na Zona Leste de São Paulo - Divulgação
Armas apreendidas durante ocorrência na Zona Leste de São Paulo Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

24/06/2020 09h16Atualizada em 24/06/2020 14h00

Três homens morreram após confronto com membros da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) na madrugada de hoje na região de Guaianases, na zona leste de São Paulo (SP). Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública do estado (SSP), os suspeitos atiraram contra uma guarnição da Polícia Militar minutos antes da perseguição.

O registro da ocorrência narra que os policiais da Rota receberam a informação, durante patrulhamento, que indivíduos em um veículo Logan na cor prata haviam efetuado disparos. Informações iniciais da corporação indicavam que o ataque ocorreu contra um policial no momento em que ele chegava em sua casa, mas a secretaria disse em comunicado que os tiros foram contra uma guarnição da PM.

De acordo com o registro, o veículo foi localizado no contramão da Avenida José Pinheiro Borges e, ao perceber a presença da polícia, os suspeitos tentaram fugir. Após consulta da placa e receber a confirmação via Copom de que havia queixas contra o veículo, a equipe da Rota iniciou a perseguição.

O confronto ocorreu na altura do número 120 da Rua Baltazar de Azevedo. Segundo o relato dos policiais, os suspeitos deixaram o veículo e efetuaram disparos contra a equipe, que revidou.

O registro da ocorrência informa que os três suspeitos tiveram a morte declarada após atendimento médico no local. Nenhum policial sofreu ferimentos. Além do veículo, foram apreendidos um fuzil calibre 5,56 e duas pistolas calibre 380.

O novo incidente ocorre em um momento de alerta entre policiais militares. No fim de semana, dois ataques na região metropolitana contra membros da corporação deixaram um PM morto e outro ferido.

A suspeita é a de que os crimes do fim de semana tenham sido planejados pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP), o caso foi registrado pelo DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa), que instaurou inquérito para apurar os fatos. Foi solicitada perícia no local.

Segurança pública