PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses
As mudanças não serão imediatas, estrutura racista é secular, diz Djamila

Do UOL, em São Paulo

01/07/2020 12h10

A filósofa, escritora e ativista Djamila Ribeiro afirmou em entrevista ao UOL Debate, na manhã de hoje, que o debate sobre racismo está sendo feito sem tabus atualmente no Brasil, mas que, para haver mudanças, será necessário mais tempo.

A entrevista foi conduzida pelos jornalistas Leonardo Sakamoto, colunista do UOL, e Paula Rodrigues, repórter de Ecoa. "Estamos falando de estrutura secular. Estamos discutindo mais no debate público. Isso que é novo, na verdade. O Brasil foi fundado na violência de sangues negros e indígenas. Hoje a gente pode falar sem tabu", disse.

Djamila relembrou que o Brasil começou a considerar o racismo como um crime contra a humanidade na Conferência de Durban, em 2001, na África do Sul, se prontificando a reparar os danos causados pela escravidão. "Houve um levante interessante, mas que só foi possível as pessoas falarem sobre isso porque existiu um movimento que vem historicamente, sobretudo depois das cotas raciais, mais pessoas negras nas universidades, fazendo pesquisa. Tem aí uma resposta em relação a uma maior aderência esse debate."

"Nossa geração talvez não veja os benefícios disso. Sem nunca perder a perspectiva histórica, é um trabalho de formiguinha, de base, não se muda de hora para outra, mas é importante que esses temas estejam em evidência, e que as pessoas leiam de fato", complementou a filósofa.

Estereótipo e cargas pesadas

Djamila disse que, historicamente, no Brasil, o negro sempre foi retratado com como "malandro" e, até mesmo, de forma "animalizada". Isso, segundo ela, vai sendo naturalizado pela população o que começa a gerar ódio de determinados grupos, usando muitas vezes um "humor que não tem nada de ingênuo".

"Se a gente for olhar desde o 'black face', o Show dos Menestreis, como os negros eram representados, sempre estereotipados com a boca grande e vermelha, ou comparados a animais. Então há aí uma certa linguagem que vem muito depois das teorias racistas, do racismo cientifico, que vieram para tentar justificar essa suposta inferioridade, essa animalização das pessoas negras, e a gente vê como isso vai sendo perpassado", ela diz.

Um exemplo de como os estereótipos e a estrutura racial permanece forte no Brasil pôde ser observado na demissão do ex-ministro da Educação Carlos Alberto Decotelli. "É sempre importante frisar que estamos em lados opostos. É claro que a gente não apoia esse governo e tudo o que ele representa, porém não tem como a gente não observar que existem ministros que fraudaram também seus currículos e continuam ocupando seus cargos. Tem um outro peso quando são homens brancos que fraudam e não há a mesma cobrança."

Cotidiano