PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

PR: Presos suspeitos por sumiço de casal; polícia trata caso como homicídio

Rubens Biguetti Junior e Kawanny Cleve desapareceram em 3 de agosto, em Goioerê (PR) - Arquivo pessoal
Rubens Biguetti Junior e Kawanny Cleve desapareceram em 3 de agosto, em Goioerê (PR) Imagem: Arquivo pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa (PR)

18/09/2020 18h13

A Polícia Civil do Paraná prendeu dois suspeitos de terem participação direta no desaparecimento do casal Kawanny Cleve, de 23 anos, e Rubens Biguetti Junior, de 29. Eles estão sumidos desde 3 de agosto na cidade de Goioerê. Além deles, uma vizinha de 23 anos do casal também está presa por suspeita de envolvimento no caso, que já é tratado como duplo homicídio pela investigação.

Os dois saíram de casa com o filho de 4 meses e não retornaram e nem entraram mais em contato. A criança foi encontrada na noite do desaparecimento em frente a uma residência. Kawanny e Rubens esperavam um segundo bebê, segundo a família.

A prisão dos dois homens ocorreu anteontem em Umuarama, a 68 km de Goioerê. O mandado dos três suspeitos é de prisão temporária por 30 dias, podendo ser prorrogado. A mulher está detida desde 3 de setembro.

A Polícia Civil ainda não ouviu os dois homens presos e por isso não tem informações detalhadas sobre a participação de cada um. A vizinha optou por permanecer calada durante o depoimento. A reportagem do UOL apurou que ela tinha desavenças com Kawanny.

"São pessoas com envolvimento direto no crime. Temos elementos e provas da participação deles no caso, tanto que fundamentaram o pedido para a expedição do mandado de prisão pela Justiça. Agora o grau de envolvimento de cada, a função deles e como o crime ocorreu ainda estão sendo apurados", comentou o delegado Adailton Ribeiro Júnior, em entrevista ao UOL.

Quarto suspeito preso

Um terceiro homem também foi preso anteontem em Tapejara, cidade a aproximadamente 71 km de Goioerê. Ele estava com mandado de prisão temporária em aberto por crime patrimonial, mas durante as buscas em sua casa os agentes encontraram objetos sem a procedência de origem. De acordo com a investigação, determinados pertences eram do casal desaparecido e teriam sido levados durante um arrombamento ao imóvel das vítimas dias depois do registro do sumiço.

Apesar de o suspeito ser investigado em outro inquérito, a Polícia Civil busca confirmar se ele também teve participação no desaparecimento do casal.

"Ele foi preso por causa de outro inquérito, mas recebemos informações que apontam para a participação no desaparecimento. Chegamos à casa dele e encontramos diversos objetos. Recolhemos, fizemos contato com os familiares das vítimas, e eles reconheceram os pertences. Ele confessou o furto na casa logo após o desaparecimento, mas negou envolvimento no desaparecimento", disse o delegado.

Caso é tratado como duplo homicídio

Em paralelo à investigação sobre a participação de cada um dos presos no desaparecimento, a Polícia Civil faz buscas para encontrar os corpos. O caso já é considerado um duplo homicídio em razão do que ocorreu após o sumiço das vítimas, como o não pedido de resgate à família.

"Como nenhum deles confessou e não achamos o corpo, não podemos falar 100% em duplo homicídio, mas é completamente improvável que, após todo este tempo, sem nenhum pedido de resgate ou movimentação financeira na conta do casal, a gente ainda consiga encontrá-los vivos", explicou o delegado Adailton Ribeiro.

Mãe perde as esperanças

A mãe de Kawanny, a enfermeira Leya Grejanin, disse ao UOL que, em razão das circunstâncias do crime, também não acredita que possa encontrar a filha e o genro vivos.

"Agora quero apenas encontrar os corpos deles. Vi que essa mulher presa tem mensagens falando na morte da minha filha e até comemorou, então não tem como manter a esperança desse jeito", lamentou Leya.

Ela é quem cuida do bebê encontrado em uma calçada, após o desaparecimento do casal. O filho das vítimas passa bem e não tem nenhuma sequela. Ele foi abandonado enrolado em uma coberta em frente a uma residência de uma mulher sem qualquer ligação com a família. A moradora acionou o Conselho Tutelar de Goioerê, que conseguiu encontrar a avó materna.

No dia seguinte, a Polícia Civil encontrou o carro do casal em Moreira Sales, cidade a 26 km. A perícia não conseguiu localizar nenhum vestígio orgânico e/ou biológico do casal no veículo, apenas objetos pessoais incinerados.

Antes de desaparecer, o casal teria sido atraído para uma cachoeira no rio Piquiri, região rural de Goioerê, segundo parentes de Kawanny e Rubens. Esse foi o último paradeiro do casal, afirmam.

Cotidiano