PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

'Decepcionante', diz americano indiciado por polícia após soco em hotel

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

25/01/2022 14h11

O produtor cultural norte-americano HL Thompson, indiciado por lesão corporal por reagir com um soco a ataques de um casal de hóspedes do Hotel Hilton, em Copacabana, na zona sul do Rio, lamentou o entendimento da Polícia Civil sobre o caso e disse ser "decepcionante ser considerado o agressor, depois de ser atacado".

Em conversa com o UOL na manhã de hoje, Thompson afirmou que é "triste que pessoas negras sejam sempre rotuladas de agressoras mesmo quando se defendem".

A confusão entre o americano e o casal de hóspedes —uma brasileira e um alemão que não tiveram os nomes divulgados— ocorreu no último dia 30 no saguão do hotel e foi registrada em vídeo.

Nas imagens, a brasileira aparece partindo para cima do americano, que reagiu desferindo um soco contra o companheiro dela. O homem cai no chão desacordado. Thompson retorna para a fila de atendimento e a brasileira tenta novamente agredi-lo, mas é contida pela segurança.

O americano reiterou ao UOL ter sido vítima de racismo e agarrado pela mulher —a polícia indiciou o casal por injúria racial. Ele avaliou que houve falha da segurança do hotel em protegê-lo e disse que agiu em legítima defesa.

"A segurança do Hilton falhou em me proteger depois que eu pediu várias vezes para a segurança intervir antes de ser atacado. Eles até reconheceram a falta de resposta, mas não quiseram assumir total responsabilidade. Essa falha me colocou em perigo e não tive escolha a não ser agir em legítima defesa depois de ser chamado por palavras racistas e ser agarrado."

O caso foi registrado na Deat (Delegacia de Apoio ao Turismo) pelo casal. Posteriormente, o americano compareceu à delegacia para prestar depoimento. À polícia, ele relatou ter sido atacado pelo casal com palavras de cunho racista. Após os indiciamentos, o caso será encaminhado à Justiça.

'Racismo não será tolerado', diz produtor

Depois que as imagens da confusão viralizaram nas redes sociais, o americano explicou que o casal aparentava estar embriagado e que o tumulto começou após os dois não conseguirem passar na frente dele na fila de atendimento.

"Me chamavam de 'nigger black guy' porque eu não permitiria que eles me cortassem a fila."
Em seu Instagram, o produtor afirmou que "racismo não será tolerado".

"Não somos nossos ancestrais, o comportamento racista não será tolerado em nenhum nível, o preto é lindo e, se isso te deixa desconfortável, isso é problema seu, não nosso. Eu amo minha pele negra e não odeio as lindas bençãos de Deus", escreveu ele.

A publicação é acompanhada pela imagem do ex-congressista americano John Lewis (1940-2020), líder do movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos. Na foto, há a citação do político que diz que "nunca, jamais tenha medo de fazer algum barulho e se meter em uma boa encrenca, uma encrenca necessária".

O que diz o hotel

O Hotel foi procurado pela reportagem para comentar as falhas na segurança mencionadas pelo americano, mas ainda não se manifestou.

Na ocasião que o vídeo repercutiu, o Hilton informou ao UOL que "tem uma política de tolerância zero contra o racismo ou discriminação de qualquer tipo".
"Nosso objetivo é ser acolhedor e hospitaleiro para todos que entram por nossas portas", disse a empresa através de nota. Antes, o hotel já havia informado que estava cooperando com as investigações policiais".

Cotidiano