Conteúdo publicado há 6 meses

Quiosque em que médicos foram assassinados no RJ abre horas após crime

O quiosque em que três médicos foram assassinados nesta madrugada, no Rio de Janeiro, estava aberto no início da tarde de hoje, cerca de 12 horas após o crime.

O que aconteceu

O local, que fica na orla da Barra da Tijuca, recebeu clientes para o almoço. Segundo reportagem do Brasil Urgente, o dono do estabelecimento e os funcionários que trabalhavam na hora do crime já foram ouvidos na delegacia.

Há marcas de tiros em uma das mesas do quiosque. Os clientes frequentam o local junto a jornalistas, que fazem a cobertura do crime.

Em nota enviada às 6h39, a Polícia Civil afirmou que já havia concluído a perícia, realizada por agentes da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), mas que realizava outras diligências para sustentar a investigação.

O atentado ocorreu por volta da 1h. Marcos de Andrade Corsato, 62, Perseu Ribeiro Almeida, 33, e Diego Ralf de Souza Bomfim, 35 —este último irmão da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP)— morreram na hora.

A quarta vítima, Daniel Sonnewend Proença, foi levada com vida para o Hospital Municipal Lourenço Jorge. A direção do hospital diz que o estado de saúde dele é estável.

Uma das mesas do local ficou marcada com tiros
Uma das mesas do local ficou marcada com tiros Imagem: Florian Placheur/AFP

As vítimas eram residentes do IOT (Instituto de Ortopedia e Traumatologia) do Hospital das Clínicas, em São Paulo, e dois dos médicos trabalhavam no local.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga se foi um crime planejado. O governador de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos) também enviou investigadores da Delegacia de Homicídios para acompanhar o caso e auxiliar na apuração.

Continua após a publicidade

Deixe seu comentário

Só para assinantes