Conteúdo publicado há 1 mês

Parentes de idoso levado morto a banco serão ouvidos em investigação no RJ

A Polícia Civil do Rio de Janeiro ouvirá os parentes do idoso que foi levado morto até uma agência bancária no Rio e apura se o homem foi morto.

O que aconteceu

Delegado Fábio Luiz, titular da 34ª Delegacia de Polícia (Bangu), disse que o corpo foi levado ao IML (Instituto Médico Legal) para analisar se a causa da morte foi natural. As autoridades aguardam a perícia para saber se houve envenenamento da vítima ou uso de outra substância e, se comprovado, abrir um novo inquérito para apurar o possível homicídio de Paulo Roberto Braga, de 68 anos.

Motorista de aplicativo que levou Erika de Souza Vieira Nunes e idoso de casa até agência bancária será ouvido também. O delegado busca entender as condições em que Paulo se encontrava antes de chegar ao banco. Além dele, a Polícia Civil busca encontrar um parente do idoso que não tenha proximidade com a mulher, vizinhos e outras pessoas que possam colaborar com a investigação.

Para o delegado, está claro que Erika tentou tirar dinheiro de uma pessoa morta e que o idoso já estava morto no banco. O documento emitido pelo médico do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), que prestou atendimento ao homem, indicou que o profissional da saúde notou "livor cadavérico", ou seja, o acúmulo de sangue em determinadas áreas do corpo, causada pela inércia, e que ocorre após o coração parar de bater. Essa condição só é visível após ao menos duas horas de falecimento, segundo o delegado.

Apesar da declaração do médico, em depoimento, a mulher afirmou que Paulo estava vivo quando saiu de casa e alegou que foi sacar o dinheiro porque ele teria solicitado. A advogada da mulher, Ana Carla de Souza, declarou que o caso será esclarecido após o depoimento das testemunhas e reforçou ao UOL a declaração da cliente de que o idoso estava vivo quando chegou à instituição bancária. A defensora também disse que Erika tem laudos que atestam que ela sofre com questões psiquiátricas.

Relembre o caso

Mulher foi presa na terça-feira (16). Erika de Souza Vieira Nunes estava em uma agência bancária de Bangu, na zona oeste do Rio, e tentava sacar R$ 17 mil pré-aprovados por um banco para Paulo Roberto Braga, de 68 anos, de quem alegava ser sobrinha.

Movimentação suspeita foi gravada por funcionários da agência. No vídeo, é possível ver a mulher segurando o braço e a cabeça do idoso e pedindo que ele assine o documento. Ela também pergunta se funcionários viram o momento que o idoso abriu uma porta, o que comprovaria que ele estava vivo.

Continua após a publicidade

SAMU foi acionado e constatou que homem estava morto. A mulher foi levada à delegacia para prestar esclarecimentos e foi presa no local. Ela foi autuada em flagrante por tentativa de furto mediante fraude e vilipêndio a cadáver (ou seja, menosprezar, ultrajar, tratar com desprezo e sem o devido respeito o cadáver ou suas cinzas).

A imprensa internacional repercutiu o ocorrido. Jornais do Reino Unido, Argentina e França classificaram o caso como "um horror" e "um golpe descarado".

Câmeras de segurança flagraram Erika levando Paulo em uma cadeira de rodas. Imagens do circuito interno de segurança de um shopping em Bangu mostram o momento em que mulher tira idoso de dentro do carro de aplicativo, o coloca em uma cadeira de rodas, e caminha com ele até o banco.

Deixe seu comentário

Só para assinantes