PUBLICIDADE
Topo

Com São Mateus, Boulos tem o melhor desempenho da esquerda em SP desde 2012

Beatriz Montesanti

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/11/2020 23h06

Desde 2012, quando Fernando Haddad (PT) foi eleito prefeito de São Paulo, a esquerda não liderava votações em tantos bairros da capital paulista.

Guilherme Boulos (PSOL) perdeu as eleições municipais deste ano para Bruno Covas (PSDB), mas ficou à frente do tucano em oito zonas eleitorais da capital paulista.

Na zona sul, conquistou Campo Limpo (50,6%), Capão Redondo (51,9%), Valo Velho (56,41%) e Piraporinha (54,62%), que votaram majoritariamente em João Doria (PSDB) nas últimas eleições municipais.

Também reconquistou Parelheiros (50,35%) e Grajaú (54,23%), que em 2016 ficaram com a ex-prefeita Marta Suplicy, então concorrendo pelo MDB.

Na zona leste, Boulos ficou na frente em Cidade Tiradentes (56,42%) e São Mateus (50,8%).

A vitória neste último bairro é emblemática, já que a zona eleitoral, além de ajudar a dar a vitória a Doria em 2016, também optou majoritariamente por Jair Bolsonaro (sem partido) nas eleições presidenciais de 2018.

Apoiadores de Guilhereme Boulos em frente à casa do candidato derrotado, no Campo Limpo, onde ele foi mais votado - RONALDO SILVA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - RONALDO SILVA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Apoiadores de Guilhereme Boulos em frente à casa do candidato derrotado, no Campo Limpo, onde ele foi mais votado
Imagem: RONALDO SILVA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Boulos amplia "mapa" conquistado por Haddad

Com exceção de São Mateus, os bairros em que Boulos venceu foram exatamente os mesmos que optaram por Fernando Haddad (PT) há dois anos, quando o ex-prefeito se lançou para as eleições federais, o que aponta para um pequeno avanço da esquerda na cidade.

Antes disso, em 2012, Haddad venceu as eleições municipais em 35 zonas eleitorais, ante 23 de seu adversário José Serra (PSDB).

Já nas eleições seguintes, de 2016, Doria venceu em 56 das 58 zonas eleitorais da capital, perdendo apenas duas para Marta. A esquerda não conquistou nenhum bairro naquele ano.